Agente que atirou em eletricista no Espírito Santo disse que era ameaçado; casa tinha armadilhas contra invasores

Eletricista foi baleado enquanto consertava um carro. À polícia, o agente disse que atirou após uma tentativa de invasão à casa dele.

Por Naiara Arpini, G1 ES

O agente da Guarda Municipal de Vila Velha, de 43 anos, que foi preso após atirar em um eletricista no meio da rua, contou à polícia que era ameaçado e, por isso, estava em constante alerta, com medo de ataques. A casa dele, segundo relatos de um guarda municipal que atendeu a ocorrência, era cheia de armadilhas improvisadas.

O crime aconteceu nesta sexta-feira (19), no bairro Aribiri. Nesta tarde, o suspeito teve a prisão em flagrante convertida em preventiva após audiência de custódia. A esposa do agente, de 33 anos, que foi autuada como coautora do crime, também vai permanecer presa.

A prefeitura de Vila Velha informou que vai abrir um processo administrativo sobre o caso. O prazo para finalizá-lo é de 60 dias.

Na decisão, o juiz explica que determinou a conversão da prisão do agente e da esposa porque apresentam risco.

Contra o homem, há o registro de um termo circunstanciado, que consta como arquivado. Contra a mulher, há um termo circunstanciado tramitando e um guia de execução penal ativo.

“[…] a liberdade dos autuados, neste momento, se mostra temerária e a prisão preventiva oportuna, uma vez que em liberdade poderão voltar a cometer atos da mesma natureza, eis que já possuem registros criminais, intimidar testemunhas/vítimas e se evadirem do distrito de culpa”, diz a decisão.

O crime

A Guarda Municipal foi até o bairro após o agente pedir apoio da equipe porque havia pessoas tentando invadir a casa dele. Para evitar o suposto crise, o guarda disse que sacou a arma e disparou contra os supostos invasores.

Entretanto, o alvo dos disparos era um eletricista, que estava fazendo o conserto de um carro estacionado próximo à casa do agente. Ele foi baleado e socorrido para o hospital Antônio Bezerra de Faria, onde passou por cirurgia e continua internado.

Imagens de videomonitoramento de uma casa mostram não havia nenhuma invasão e que a vítima foi surpreendida pelos disparos enquanto trabalhava.

Outras pessoas que estavam na rua também foram alvo dos disparos do guarda, mas não ficaram feridas.

A própria Guarda Municipal realizou a prisão, isolou a área e acionou a perícia. O agente foi encaminhado para a delegacia em uma viatura caracterizada.

O agente e a esposa foram autuados em flagrante pela Polícia Civil por tentativa de homicídio por sete vezes e levados para o presídio.

Agente da Guarda Municipal de Vila Velha foi levado para a delegacia.

Ameaças e armadilhas em casa

Aos guardas, o agente explicou que ele e a esposa estavam em constante alerta porque receberam ameaças de traficantes e criminosos da região devido à suspeita de que teriam participado da apreensão de drogas na região.

Na casa do casal, foram encontradas várias armadilhas e alarmes sonoros para evitar invasão de possíveis criminosos. No interior da casa, todas as lâmpadas haviam sido retiradas para não denunciar a presença dos moradores. Além disso, uma torneira de água era deixada aberta permanentemente para simular a presença em outro cômodo da casa.

Moradores também foram alvo dos tiros

Depois de atirar no eletricista, que fugiu, o guarda também disparou contra outras pessoas que estavam na rua. Segundo moradores, a esposa do agente pedia que o marido matasse as pessoas.

“Ele efetuou dois disparos contra a minha pessoa. Eu estava cuidando do meu pai, que estava enfermo, e pensei até que era um rojão na rua. Eu fui na rua pedir para parar. No exato momento que eu fui sair no portão eu escutei a mulher dele dizendo ‘mata, mata, mata todo mundo’. Quando ele apontou, eu fechei e ele deu dois disparos. Um pegou no portão e outro no cano de água que desce do lado da minha casa”, relatou um morador.

O vídeo foi gravado pela câmera de segurança da casa de Claudiomar Gonçalves. Segundo ele, a filha de 10 anos foi ameaçada.

“Eu tenho uma filha de 10 anos que estava na varanda e viu o caso. E a esposa do rapaz mandou atirar nela também. Aí eu fui correndo pra ver o que estava acontecendo”, disse.

Corregedoria

O corregedor da Guarda Municipal, Francisco Rocha, disse que o agente nunca apresentou alterações de comportamento. “Nunca teve problema nenhum sobre essas atitudes dele. É a primeira vez que aconteceu isso com ele”, disse.

Em entrevista ao Bom Dia ES, o secretário de Prevenção, Combate à Violência e Trânsito da Prefeitura de Vila Velha, coronel Oberacy Emmerich Junior, afirmou que um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) foi aberto e o afastamento do agente de suas funções foi automático. Ou seja, mesmo que o guarda seja liberado da prisão, ele não retornará às suas atividades.

“Toda pessoa, independentemente de ser guarda ou não, tem direito à defesa, mas as imagens falam por si só. Ele vai apresentar seus argumentos à Justiça”, disse.

O secretário ainda pontuou que todos os agentes da Guarda passam por avaliação psicológica antes de serem liberados para atuar nas ruas.

Leia mais

Leia também