Afetadas pela pandemia, 3,5 milhões de micro e pequenas empresas poderão parcelar débitos fiscais

Um dos segmentos mais afetados pela pandemia do coronavírus, os pequenos negócios podem ter um respiro nas contas nos próximos meses. É que o plenário do Senado aprovou essa semana proposta (PLP 9/2020) que permite ao governo federal parcelar os débitos fiscais das micro e pequenas empresas enquadradas no Simples Nacional. 

Pelo texto aprovado de forma unânime na última terça-feira (14), as dívidas em fase de cobrança administrativa, ou seja, já inscritas na dívida ativa e em cobrança judicial, poderão ser negociadas e postergadas. À espera da sanção presidencial, a nova legislação também estende aos negócios incluídos no Simples Nacional os benefícios da Lei do Contribuinte Legal (13.988/2020), com descontos de até 70% sobre multas, juros e encargos e prazo de até 145 meses para quitação do débito. Na avaliação da advogada tributarista Priscila Faricelli, essas facilidades possibilitam que pequenas empresas mantenham ou retomem suas atividades com mais dinheiro em caixa.  

“A regularidade fiscal é um passo importante para que empresas possam exercer normalmente suas atividades. Empresas de pequeno porte são mais suscetíveis ao mercado. Esse projeto traz uma forma facilitada de pagamento de débitos fiscais federais com desconto sobre juros, multas e encargos. Certamente, beneficia bastante o público-alvo”, analisa. 

BNDES suspende dívidas de estados e municípios em R$ 3,9 bilhões

MP 936 não é suficiente para segurar empresas no setor têxtil, revela presidente da Abit

Municípios brasileiros tentam driblar a crise econômica e mantêm empregos com iniciativas locais

Quanto ao impacto na arrecadação, a advogada tributarista acredita que a proposta atua na perspectiva de créditos que são recuperáveis. “Não se entende que haja um prejuízo de arrecadação, mas sim uma possibilidade de regularização de empresas que estejam em situação específica, e, até mesmo, especial por conta dos prejuízos causados pela covid-19”, acrescenta Priscila Faricelli.  

O projeto, relatado pelo senador Jorginho Mello (PL-SC), amplia em 180 dias o prazo de adesão das empresas ao regime tributário do Simples Nacional, contados a partir da data de abertura do negócio. Segundo a Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas e dos Empreendedores Individuais de Santa Catarina, pelo menos 130 mil pequenos negócios fecharam as portas no estado desde o início da crise sanitária. 

Para evitar que mais empresários se vejam obrigados a encerrar suas atividades, o parlamentar defende que uma das principais vantagens da norma será a possibilidade de participação no Programa de Recuperação Fiscal (REFIS). Esse mecanismo especial de recuperação de débitos tributários ocorre, geralmente, mediante concessão de melhores condições para parcelamento e redução das multas e juros para empresas.

“O relatório vai ao encontro ao que o micro e o pequeno sempre esperaram, que é ter a oportunidade de participar de todos os REFIS, de todas as transações tributárias, o que hoje não é permitido. Era o que faltava para que os pequenos negócios tivessem o mesmo benefício da média e grande empresa”, ressalta.

“A gente sabe do valor que isso tem para o micro e pequeno empresário. É o crédito para que ele continue vivo, para obter crédito, tem que arrumar o tributo que muitas vezes não pôde pagar. O PLP dá a possibilidade em fazer os parcelamentos toda vez que o governo resolver fazer uma transação tributária”, esclarece o parlamentar.

Segundo a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), 3,5 milhões de contribuintes inscritos na dívida ativa poderão ser beneficiados. Até o dia 25 de junho, aproximadamente 30 mil acordos haviam sido aprovados. A expectativa da PGFN é negociar R$ 56 bilhões em dívidas e arrecadar pouco mais de R$ 8 bilhões em três anos. 
 

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Leia mais

Equipamentos para testes ultrarrápidos de Covid-19 são instalados no Lacen/ES

A partir desta quinta-feira (04), o Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo (Lacen/ES) aumentará...

‘Faço tudo ao contrário do que o presidente manda’, diz Alceu Valença

Como diz na letra de Cabelo no Pente,...

Nova Venécia registra o 30° óbito por Coronavírus

Mais uma morte por coronavírus (Covid-19) foi registrada no município de Nova Venécia, elevando para 30 o número de óbitos desde o início da...

Leia também

Brasil assina declaração sobre defesa do acesso das mulheres a promoção da saúde

Foto: Reprodução Trinta e um países, incluindo o Brasil, assinaram, em cerimônia virtual, a chamada Declaração de Consenso de Genebra, um documento no qual...

Publicadas regras de flexibilização do programa A Voz do Brasil

Apenas as rádios educativas devem manter o início da transmissão às 19h. A portaria que estabelece as condições, critérios e procedimentos para a flexibilização e...

Arrecadação prevista pelo Governo Federal em 2020 deve ter queda ‘brutal’, avalia IFI

Com a revisão mais recente feita pelo Executivo, a previsão da arrecadação do Governo Federal em 2020 terá uma redução de 12%. Em análise...

Espírito Santo autoriza funcionamento de cerimoniais infantis a partir de 3 de novembro

  O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), anunciou nesta sexta-feira (23) a autorização para o funcionamento de cerimoniais e espaços de recreação infantis...