Adolescente de 15 anos é morta com tiro na testa no ES

Uma adolescente de 15 anos foi morta com um tiro na testa no bairro Vila Prudêncio, em Cariacica, na Grande Vitória, na tarde deste sábado (15).

Nenhum suspeito do crime foi preso até o momento. No entanto, familiares de Raíssa da Silva Souza afirmam que a jovem foi assassinada pelo próprio ex-companheiro.

O crime aconteceu na casa de um tio de Raíssa. O jovem apontado por familiares dela como o autor do assassinato tem 26 anos, mas seu nome não será revelado, pois a Polícia Civil não confirmou seu envolvimento no crime até o momento. Com ele, Raíssa morou por quase dois anos.

A avó da jovem, que preferiu não se identificar, conta que Raíssa queria se separar do rapaz e que era ameaçada por ele. Segundo a avó, a família já temia que a adolescente fosse morta, vítima de violência doméstica.

Ainda de acordo com os familiares, na última sexta-feira (23), Raíssa decidiu deixar o companheiro e ele enviou um áudio para o celular dela fazendo ameaças à ela, à sua família e aos amigos. Em um dos trechos do áudio, o jovem diz:

“Você pode ficar longe o tempo que for. Você pode sumir o tempo que for, parceira. Mas mas uma coisa que vou falar pra você: uma hora eu te acho, Raissa. Uma hora alguém aparece e diz: eu vi Raissa em tal bairro, eu vi Raissa em tal lugar. Aí é a hora que o Guilherme vai passar pra ver se te acha. E quando ele te achar, vai ser triste”.

Em um outro momento, o rapaz continua:

“Eu já falei com você, que você vai derramar sangue nosso por causa desse mal costume de meter o pé. Então, parceira, segura os vôos. Você não está acreditando em mim, a notícia vai bater na sua porta. Desse jeito aqui, ó! Vai bater na sua porta a notícia. Pode ter certeza”.

Adolescente tentou se esconder do ex-companheiro

Após sair da casa onde vivia com o ex-companheiro, Raíssa foi para a casa de uma amiga. Depois, passou a noite na casa de parentes na tentativa de se esconder dele.

Já no sábado, ela seguiu para a casa dos pais, em Vila Velha, mas acabou sendo encontrada pelo rapaz. Familiares da adolescente afirmam que ele apareceu armado na residência e a obrigou a sair com ele.

Os dois foram então para a casa do tio de Raíssa, em Vila Prudêncio, onde ela foi assassinada.

“O tio falou que eles chegaram conversando. E o tio foi fazer um miojo. Os vizinhos viram que ela chegou três vezes na varanda, mas eles não sabiam de nada e não tinham como interferir. Aí eles escutaram o tiro e os dois saíram para fora”, contou a avó de Raíssa.

Segundo testemunhas, enquanto o tio de Raíssa saiu para pedir ajuda para a sobrinha, o ex-companheiro da vítima pedia ajuda para fugir.

PM foi acionada

A Polícia Militar foi chamada e acionou uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192). No entanto, ao chegar ao local, a equipe constatou que Raíssa já estava morta.

No quintal da casa, os policiais localizaram uma metralhadora semi-industrial com uma munição deflagrada. A arma foi entregue à Polícia Civil.

A família tem muito medo do ex-companheiro da adolescente e espera que a polícia o prenda o mais rápido possível.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), mas não confirmou que se trate de um crime de feminicídio. Até o momento nenhum suspeito foi detido.

“Somente após a autoridade policial que estará à frente das investigações formar sua convicção pautada na análise de todos os elementos indiciários coletados no inquérito policial que se pode afirmar a presença de uma qualificadora, como a qualificadora do feminicídio”, destacou a PC.

Leia mais

Leia também