Acusado de mandar matar médica Milena Gotardi, Hilário Frasson é expulso da Polícia Civil do Espírito Santo

Decisão de demitir Hilário Frasson havia sido tomada pelo Conselho da Polícia Civil em setembro de 2019 e agora foi confirmada pelo Conselho Estadual de Correição. Todas as possibilidades de recurso estão esgotadas.


O ex-policial civil Hilário Frasson é acusado de ser um dos mandantes do assassinato da ex-mulher, Milena Gotardi

Acusado de mandar matar a ex-mulher, a médica Milena Gotardi, em setembro de 2017, o policial Hilário Antônio Fiorot Frasson foi expulso dos quadros da Polícia Civil do Espírito Santo.

A decisão foi tomada pelo Conselho Estadual de Correição (Consecor), que é a última instância do governo estadual na qual servidores civis e militares podem apresentar recursos.

A demissão de Hilário Frasson foi anunciada pelo conselho da instituição em setembro do ano passado. No entanto, um recurso foi interposto pela defesa do acusado.

Com a decisão do Consecor, que é presidido pelo secretário estadual de Controle e Transparência, Edmar Camata, já não é mais possível recorrer administrativamente.

Uma resolução deliberativa do conselho, que informa a rejeição do recurso do ex-servidor, foi publicada no Diário Oficial na última segunda-feira (29).

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) também confirmou que Hilário não faz mais parte da instituição.

Milena Gotardi morreu após ser baleada na cabeça quando saía do trabalho, no estacionamento do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes, em Vitória.

Hilário, que estava separado da médica, e o pai dele, o fazendeiro Esperidião Frasson, foram acusados de serem os mandantes do crime. O casal tinha duas filhas.

Agora, o ex-policial civil aguarda para ir a júri popular pelo crime e enfrentar o banco dos réus.

Fonte: G1ES

Leia mais

Leia também