Ações da população são importantes para evitar a proliferação do Aedes aegypti

 

Responsável pela transmissão de diversas doenças que acometem a população brasileira – como dengue, zika e chikungunya – o mosquito Aedes aegypti se prolifera em locais com água parada. Para evitar a disseminação do inseto e buscar diminuir a contaminação, é necessário que cada cidadão faça a sua parte.

De acordo com dados da Secretaria da Saúde (Sesa), aproximadamente 80% dos criadouros no Espírito Santo estão localizados dentro das residências. Para que haja uma mudança nessa realidade, é necessário que sejam realizadas limpezas frequentes nos quintais; manter calhas limpas; garrafas de cabeça para baixo; escovar bem as vasilhas de água e comida de animais; entre outros cuidados.

O chefe do Núcleo Especial de Vigilância Ambiental, Roberto Laperriere Júnior, destaca a importância dessa ação. “É importante minimamente fazer a limpeza semanal, pois temos que considerar o ciclo biológico do mosquito que ocorre entre três a oito dias. Eliminando o foco nesse período, conseguimos inibir a proliferação”, ressaltou.

Veja aqui o 16º boletim da dengue.

Veja aqui o 16º boletim de zika.

Veja aqui o 16º boletim chikungunya.

 

Ciclo de reprodução do mosquito

A fêmea do Aedes aegypti deposita seus ovos nas bordas dos recipientes com água limpa e parada. Dois ou três dias após o contato com o líquido, os ovos viram larvas e dias depois chegam na fase da pupa. Esse ciclo dura cerca de 48 horas e, ao término, se transformam em mosquitos adultos.

Os ovos do mosquito são resistentes e sobrevivem até mesmo por um ano em um local seco. Quando este local recebe água limpa, em cerca de meia hora de submersão este ovo pode se desenvolver.

O inseto leva em média 10 dias para se desenvolver e vive durante 30 dias. Uma única fêmea produz de 60 a 120 ovos em cada ciclo reprodutivo e pode ter mais de três ciclos durante sua vida.

Como prevenir

– Limpar o quintal, jogando fora o que não é utilizado;

– Tirar água dos pratos de plantas;

– Colocar garrafas vazias de cabeça para baixo;

– Tampar tonéis, depósitos de água, caixas d’água e qualquer tipo de recipiente que possa reservar água;

– Manter os quintais bem varridos, eliminando recipientes que possam acumular água, como tampinha de garrafa, folhas e sacolas plásticas;

– Escovar bem as bordas dos recipientes (vasilha de água e comida de animais, pratos de plantas, tonéis e caixas d’água) e mantê-los sempre limpos.

Barra de São Francisco zera número de casos de dengue no município

 

De carro ou a pé, o Fumacê está nas ruas de Barra de São Francisco no combate a Dengue


Leia mais

Leia também