A VINGANÇA DE UM PROFESSOR INJUSTIÇADO


A professora Aurora Nascimento foi uma ótima diretora da Escola Job Pimentel, em Mantenópolis. Dentre tantas coisas boas, a diretora sempre dava um jeito de conseguir com algum politico de plantão uma excursão para os alunos formandos. Ela sempre ganhava o ônibus e o local para a estadia. Eu, mesmo sendo um aluno mediano, após concluir o segundo grau fui contratado pela

diretora para ser professor. Passei a ser o Prof. Creumir Guerra, responsável por ensinar aos alunos do curso de técnico em contabilidade o mais importante: a contabilidade.
Atuei oito anos como professor e fui acusado por alguns colegas professores de estar fazendo “bico na educação”. Foi uma injustiça, pois amava exercer a profissão e gostava da sala de aula. O que me afastou da educação foi o plano de cargos e salários do governo estadual. Quando eu vi que o Estado pagava mais aos fiscais de renda, aos procuradores, aos promotores e etc. eu decidi fazer o curso de direito, que não habilitava para a licenciatura como professor no ensino fundamental e médio.
Era final de ano e a diretora conseguiu com um deputado estadual o ônibus e uma casa para os formandos visitarem o balneário de Conceição da Barra. Não estou lembrando o motivo, mas nesta excursão nem a diretora e nem os professores veteranos se interessaram em ir. Eu penso que todos já conheciam o lugar e perderam o interesse. Fui enviado como professor responsável por cuidar dos alunos. O problema é que eu era muito novo e não era muito diferente dos alunos. Tinha aluno até mais velho que o professor.
Chegamos ao nosso destino e fomos para a casa alugada pelo nobre deputado. A dona da casa era uma senhora de idade e com cara de poucos amigos. A mulher me faz lembrar a “Bruxa do Setenta e Um” do seriado Chaves. A senhora alugou a sua residência, no térreo, de porteira fechada, e se mudou provisoriamente para o apartamento construído em cima da casa. Creio que éramos em torno de quarenta pessoas, instalados em três quartos, sala, copa, cozinha e as varandas.
É evidente que quando uma pessoa aluga um imóvel ele não quer ver o dono dentro do seu espaço. O senhorio abre mão de seus direitos sobre o imóvel em troca do aluguel. Aquela dona não quis saber desta história e toda hora ela estava dentro da casa para ver se os seus quadros estavam certinhos na parede; se não havia riscados nos móveis; se a torneira não estava pingando; etc. e tal. Afinal, a mulher era um saco. Os alunos não gostaram nada da invasão ao domicilio, ainda que ali fossem ficar somente por uma semana.
Assim começou o contra-ataque. Os quadros foram trocados de lugar e colocados de “cabeça pra baixo”. Tapetes foram escondidos dentro de armários. Vasilhas e talheres migraram da cozinha para o guarda roupa. Edredons e roupas de cama se mudaram para os armários da cozinha. A dona da casa entrava e ficava doida. Será que estas pestes não vão roubar as minhas coisas?
Não houve vandalismo, até por que eu estava de olho. O mais grave foi a quebra de alguns pés de couve que foram jogados na caixa d’agua reserva que ficava no chão, ao lado da horta.
Não suportando mais a pressão a mulher foi procurar o motorista do ônibus. Senhor! Esta turma não tem um professor responsável? Tem sim, respondeu o chofer. É aquele lá. O magrinho de óculos e cabelo liso? É! o nome dele é Creumir. O que? Aquele rapaz é o pior de todos. Quando o Plinio Pertel, o motorista, veio me dizer que a dona havia me colocado no mesmo nível dos alunos. Ou melhor, pior que os alunos, eu me enervei e pensei que a coisa não iria ficar assim. Eu estava deitado na varanda da sala e fiquei observando uma trepadeira que começava de um lado, subia a parede e atravessava até o outro lado, descendo a parede até ao chão. Verdade tem que ser dita. A mulher tinha bom gosto. A planta era linda.
No ultimo dia, casa toda arrumada, coisas nos devidos lugar, com exceção de dois peixes que alguém pescou na segunda e se esqueceu no armário até o último dia. O ônibus já estava no lugar e as bolsas sendo colocadas no porão. Eu, que pecado! Peguei uma faca de cortar pão, afastei uns dez centímetros a terra em torno do pé da trepadeira, e discretamente serrei próximo de onde se espalhavam as raízes. Voltei a terra para o lugar e compactei. Nada de errado foi visto e as chaves entregues a proprietária, que não via a hora de ver a nossa gente longe dali.
Dentro do ônibus eu conversava com os alunos e fiz uma profecia: Diletos alunos, aquela mulher foi injusta com a gente, mas eu não dou dois dias para aquela trepadeira bonita começar a amarelar. A mulher vai aguar e colocar adubo, mas a planta não sobreviverá.
Hoje, na fase da vida que estou, experiente e maduro, penso que eu não faria aquilo de novo. Porém, se eu ainda tivesse a idade da época, acredito que era possível piorar as coisas. Peço mil perdões a dona “Bruxa do Setenta e Um”. O que me conforta é que já deu tempo para ela plantar e reconstituir a paisagem anterior.
Amiguinhos que ainda estão na escola, não façam isso. A vítima pode ser a sua vovó.

Texto: Creumir Guerra
Creumir Guerra é Promotor de Justiça no Estado do Espírito Santo

Veja mais sobre Creumir Guerra

Leia mais

Missão da Nasa parte para Marte na manhã desta quinta-feira, 30, em busca de vida

Os cientistas acreditam que Marte tinha, entre 3 e 4 bilhões de anos atrás, um lago onde hoje existe uma cratera. É lá que...

Traficante “Demônio” é preso no Sul do Espírito Santo

Criminoso estava foragido desde 2019 e foi detido após apresentar documento falso em uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-101.

PRF apreende submetralhadora de fabricação caseira dentro de ônibus no Norte do ES

Armas e drogas estavam nas malas de três pessoas. Entre elas, uma adolescente de 16 anos. Por Luiz Zardini, G1 ES e TV Gazeta Uma submetralhadora...

Leia também

Trabalhador morre após ser atingido por pedras de granito no Norte do Espírito Santo

Um trabalhador morreu atingido por uma pedra granito, na manhã desta quarta-feira (24), em Aracruz, no Norte do Espírito Santo. O corpo foi encaminhado...

TSE determina volta de prefeito de Conceição da Barra ao cargo

O Ministro Alexandre de Moraes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou, na noite desta quarta-feira (23), o retorno do prefeito Francisco Vervloet (PSDB), de...

Vitória terá mais de 430 candidatos a vereador nas eleições de 2020

Candidaturas ainda precisam ser aprovadas pela Justiça Eleitoral. Número de candidaturas é 68% maior que na eleição de 2016. Por Luiza Marcondes, G1 ES   Os partidos...

Comissão parlamentar que acompanha ações de combate aos incêndios no Pantanal deve visitar Corumbá (MS) em 03 de outubro

A Comissão do Senado criada para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios do Pantanal aprovou uma segunda visita aos locais das queimadas. Desta...