“A democracia brasileira é sólida” diz a juíza Renata Gil, presidente da AMB

Para a presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a juíza Renata Gil, a democracia brasileira não está em risco. Em entrevista exclusiva ao Portal Brasil 61, a magistrada avaliou que ataques às instituições partem de pequenos grupos, por isso não terão resultado. Renata Gil é juíza criminal no Rio de Janeiro há 22 anos, eleita com quase 80% dos votos, em dezembro de 2019, se tornou a primeira mulher a presidir a maior entidade de juízes do país. São 14 mil associados, incluindo juízes estaduais, trabalhistas, militares e ministros do STF e do STJ. Ela analisa que ataques contra as instituições precisam de reação.

“Penso que a democracia brasileira não tem espaço para o enfraquecimento pela força de suas instituições, por uma Constituição repleta de direitos. Não há uma crise, o que há é um embate institucional que não é saudável para o país, especialmente nesse momento que nós temos um único inimigo, a Covid-19. O diálogo é fundamental, e esses ataques que nós temos visto ao Judiciário, ao Supremo Tribunal Federal, ao Parlamento, precisam ser coibidos. Nós temos normas para isso. Grupos pequenos que querem gerar instabilidade, mas não vão conseguir. Tanto que as respostas já foram dadas, as investigações estão em curso, pessoas foram presas. Nós não aceitaremos e não nos calaremos”, disse a juíza.

Renata Gil também falou sobre a campanha “Sinal Vermelho”, feita em parceria com o Conselho Nacional de Justiça. Segundo ela, medidas de proteção são especialmente necessárias durante a pandemia, já que a quarentena aumentou o número de casos de violência doméstica.

“A campanha é muito simples: a mulher procura uma rede de farmácias com um ‘X’ na palma da mão, que pode ser feito com batom vermelho. Já é o indicativo de que essa mulher está pedindo socorro. Imediatamente, o atendente ou farmacêutico disca no 190. Neste momento a mesma segue para uma salinha reservada até que a polícia chegue, logo em seguida é levada para a delegacia da mulher. Lá ela terá toda a rede de proteção, como abrigo e acompanhamento psicológico. A campanha se dirige, especificamente, para as mulheres que estão confinadas com seus agressores durante a pandemia. As farmácias já estão treinadas, são 10.034 redes que participam do projeto e a ideia é chegar a todas do país.”

Confira a entrevista completa:

Foto: AMB

Leia mais

O TEMPO E A TEMPERATURA: Sul do país tem tempo aberto, neste domingo (9)

A região Sul do país tem tempo aberto, neste domingo (9). As temperaturas voltam a subir no Rio Grande do Sul e se mantêm...

Estudantes de Pinheiros começam atividades escolares não-presenciais nesta terça-feira (12)

A partir desta terça-feira (12), os estudantes matriculados...

Governo Federal destina R$ 4,7 bilhões a povos e comunidades tradicionais na pandemia

Coletiva de Imprensa com a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Justiça e Segurança...

Operação em Guaíra apreende 500 caixas de cigarro contrabandeado do Paraguai

Carga estava em um caminhão que foi abandonado, após perseguição policial; ninguém foi preso. 1...

Leia também

Homem é preso suspeito de agredir esposa e bebê durante briga no ES

A mulher e a criança foram levadas para...

RR: Secretário de Estado dos EUA anuncia ajuda de US$ 30 milhões na crise migratória de venezuelanos

Em visita a Boa Vista, capital de Roraima, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou que os Estados Unidos vão investir mais de...

Sancionada lei que regula pagamento de auxílio a quem teve redução de salário

A Lei 14.058, publicada no Diário Oficial da União da última sexta-feira (18), define as regras para os bancos federais pagarem os benefícios aos...

Governo do Paraná antecipa Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite e Multivacinação

O governo do Paraná antecipou a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação para 28 de setembro, uma semana mais cedo do...