26 de Janeiro de 1954: Dia da “Instalação” de Nova Venécia

Vista da Av. Vitória por volta de 1957. O primeiro sobrado a esquerda funcionou como Prefeitura Municipal de Nova Venécia de 1954 a 1968. Foi neste local que ocorreu a solenidade de instalação do município e posse do interventor Antônio Daher em 26 de Janeiro de 1954. Durante anos em seu térreo funcionou o famoso Bar Vênus (atualmente é uma loja de celulares) Apesar de ter sofrido algumas descaracterizações a edificação ainda existe e deveria continuar a ser preservada para as futuras gerações. Acervo: Biblioteca IBGE.

Por Izabel Maria da Penha Piva* e Rogério Frigerio Piva**

Mas e o dia 26 de Janeiro, dia do município, o que aconteceu neste dia? Foi meramente a cerimônia de instalação do novo município de Nova Venécia. Isso se deu em 26 de janeiro de 1954, com a presença do governador Jones dos Santos Neves e outras autoridades que participaram do evento. Antônio Daher foi nomeado interventor por indicação do povo para administrar Nova Venécia durante 1954, ano em que ocorreram as eleições municipais. Ele governou com a câmara de vereadores de São Mateus.

Como aqueles que haviam protagonizado a emancipação entenderam que a instalação concluía todo o processo que levou nosso município a se tornar independente de São Mateus, ainda em 1955 a primeira Câmara de Vereadores aprovou a Lei Ordinária nº 48 de 14 de Dezembro de 1955, que foi sancionada pelo prefeito e instituiu os feriados municipais, dentre eles o dia 26 de Janeiro como “Dia do Município”. E por isso estamos hoje aqui contando toda essa história.

Na primeira eleição direta para prefeito e vereadores do município, realizada em 03 de Outubro de 1954, o escolhido pelos venecianos foi o baiano e antigo farmacêutico prático Zenor Pedrosa Rocha, que assim terminava seu mandato como prefeito de São Mateus e iniciava um novo mandato como primeiro prefeito eleito de Nova Venécia, de 1955 a 1958. A primeira legislatura da Câmara de Vereadores foi instalada em 31 de Janeiro de 1955 e era composta por: Dacílio Duarte Santos, Radagásio Teixeira, Antenor Nardotto, Angelo Contarato, Avelino Grechi, José Ricardo Neiva, Wilson Boechat, Antônio Faustino Gonçalves e Newton Lyrio. Antenor Nardotto foi eleito o primeiro presidente.

Detalhe de foto de Maio de 1954 com o então prefeito de São Mateus Zenor Pedroza Rocha (de óculos), que ganhou as eleições diretas daquele ano e assumiu no ano seguinte (1955) a prefeitura de Nova Venécia e o Sr. Antônio Daher, recém-nomeado prefeito de Nova Venécia pelo governador Jones dos Santos Neves na solenidade de instalação do novo município, em 26 de Janeiro de 1954. Personagens fundamentais no processo de emancipação de Nova Venécia. Foto disponível no Grupo do Facebook (Nova Venécia – História, Memória e Imagem).

Dentre algumas obras que foram concluídas ou construídas neste primeiro mandato veneciano, ainda é possível observar no centro da cidade a antiga Escadaria da Travessa Itapemirim, obra de 1957, inspirada na Escadaria Maria Ortiz de Vitória e que recentemente foi reformada e rebatizada com o nome de Jamilly Daher Rocha, que era a primeira dama na época de sua construção.

Em 1956 começou a funcionar fora dos limites da então área urbana, o novo Cemitério Público de Nova Venécia, próximo a rodovia que dava acesso a Colatina, obra que foi iniciada quando Zenor ainda era prefeito de São Mateus. Em 1983, este que hoje é o Cemitério Velho foi oficialmente denominado de Cemitério Nosso Senhor do Bom Fim. Também é dessa época o Estádio Municipal que leva o nome de Zenor Pedroza Rocha. Além disso, foi na gestão de Zenor que se lançaram os rudimentos para a construção do atual prédio da prefeitura, que só veio a ser erguido entre 1967-1968.

No ano que teve início o governo do primeiro prefeito do município (1954), os Missionários Combonianos aqui se estabeleceram com a criação da Paróquia de Nova Venécia. As irmãs iniciaram uma escolinha infantil para tender as crianças carentes da sede. Dom José Dalvit se tornou o primeiro bispo da Diocese de São Mateus em 1958, e no ano seguinte os combonianos iniciaram seu projeto de melhorias para a população, que incluía a construção da nova Igreja Matriz de São Marcos, do Hospital São Marcos e do Colégio Comboni, hoje a EEEM Dom Daniel Comboni, ou o Estadual, como todos conhecem. Esta escola ao longo de mais de meio século, tem formado a juventude veneciana, com destaque a atuação do diretor Padre Camaione e dos professores Padre Carlos Furbetta, Dr. Adalton Santos, que além de docente, foi um dos primeiros juizes negros do Estado, dentre outros.

No mesmo ano da emancipação, 1953, foi fundada a Cooperativa de Laticínios do Norte do Espírito Santo – COOPNORTE que deu origem a Veneza, com o objetivo de organizar e expandir a produção leiteira e de laticínios aqui da região. Iniciada com 17 participantes, este empreendimento tornou-se um dos maiores no norte do Estado e garantiu emprego e prosperidade ao município.

Dentre os fundadores da Veneza, uma única mulher. Era Dona Fitinha, nascida com o nome de Alice dos Santos Neves, filha de Antônio Santos Neves, neta do Barão de Aymorés. Era proprietária da Fazenda Santa Rita, madrinha e mãe adotiva de Dona Ecila, que hoje cuida dessa propriedade e guarda com carinho os bordados e o caderno de poesia, com caligrafia perfeita e poemas de Castro Alves, escritos por sua madrinha.

Em 1956 foi criada a Comarca de Nova Venécia o que coroou a independência do território que agora estava civil, eclesiástica e juridicamente independente da terra mãe, São Mateus. De 20 de Dezembro de 1953 para cá são 67 anos de muita história para contar. E nós apenas começamos…

Vista da antiga Escadaria da Travessa Itapemirim (atual Escadaria Jamilli Daher Rocha) no dia de sua inauguração em 1957. A escadaria faz a ligação da Rua Eurico Salles com a Avenida Vitória no Centro de Nova Venécia e teria sido inspirada na Escadaria Maria Ortiz de Vitória. Em 2003 foi reformada e rebatizada com o nome da primeira dama da época de sua inauguração em 1957. É uma das obras da gestão do ex-prefeito Zenor Pedroza Rocha que ainda permanecem em nossa cidade e lhe confere um charme especial devendo continuar a ser preservada para as futuras gerações. Foto disponível no Grupo do Facebook (Nova Venécia – História, Memória e Imagem).
Vista de uma procissão ou cortejo seguindo em direção ao Cemitério Público de Nova Venécia em meados da década de 1960. Este cemitério (Muros e Necrotério) foi obra da gestão do prefeito Zenor Pedroza Rocha, iniciada antes da emancipação e concluída em 1956 quando este já estava à frente de nossa prefeitura. A necrópole substituiu o velho cemitério que foi extinto e localizava-se entre o presbitério e fundos da atual igreja matriz de São Marcos. Em 1983 foi oficialmente batizado de Cemitério Nosso Senhor do Bom Fim. Apesar de ter sido ampliado em meados dos anos 1970 já não comporta mais novos sepultamentos, sendo substituído pelo novo Cemitério São Marcos a partir de 1983. Porém suas estruturas (muro, portão, cruzeiro, necrotério) devem continuar sendo preservadas com as características originais para as futuras gerações. Foto de reprografia de original feita por Cizernandes Sandes.

* Izabel Maria da Penha Piva é mestra em História pela UFES e professora de História na rede estadual em Nova Venécia.
** Rogério Frigerio Piva é graduado em História pela UFES, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES) e professor de História na rede municipal em Nova Venécia.

Fontes Documentais:
Entrevista concedida por Tito Santos Neves em sua residência no Bairro Margareth no ano de 1985 sobre diversos aspectos da sua vida política em Nova Venécia aos integrantes do Movimento Cultural de Nova Venécia.
Ata Nº 153 da Sessão Extraordinária realizada no dia 28 de Agosto de 1953 na Câmara Municipal de São Mateus às 19:30 horas sob a Presidência do Sr. Antônio de Carvalho. Arquivo da Câmara de Vereadores de São Mateus (ES).
Lei Estadual Nº 65 de 30 de Dezembro de 1947. Disponível em: http://www3.al.es.gov.br/Arquivo/Documents/legislacao/html/LEI651947.html. Acessado em 20/01/2021.
Lei Municipal de São Mateus Nº 329/53 de 28 de Agosto de 1953 – “Cria o Município de Nova Venécia” (Cópia). Arquivo da Câmara de Vereadores de Nova Venécia (ES).
Processo “Assembléia Legislativa – Encaminhando, por cópia, o ofício que lhe foi dirigido pelo Sr. Presidente da Câmara M. de S. Mateus, a propósito da criação do Município de Nova Venécia.” 17/12/1953. Fundo Governadoria, Série Processos, Ano 1953. Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES).

Fontes Bibliográficas:
Jornal “A Tribuna Livre” – órgão da Câmara Municipal de Nova Venécia. Ano I- Nº 01 – Março a Junho de 1988.
Revista “Memória Legislativa” – órgão oficial da Câmara Municipal de Nova Venécia –ES. Ano I- Nº 01 – Abril de 2000.
FURBETTA, Carlos. História da Paróquia de Nova Venécia. Nova Venécia: Paróquia São Marcos, [1982].
GASPARINI, Waldir (agente de estatística). Nova Venécia – ES. In: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, Volume XXII. Rio de Janeiro: IBGE, 1959. p.126-129.
PIVA, Izabel M. da P. e PIVA, Rogério F. À Sombra do Elefante: a Área de Proteção Ambiental da Pedra do Elefante com guardiã da História e Cultura de Nova Venécia (ES). Nova Venécia: Edição dos Autores, 2014.
PIVA, Rogério Frigerio. Da Colonização à Emancipação: uma breve história de Nova Venécia (1870-1953). In: Patrimônio Fotográfico: catálogo de fotografias do município de Nova Venécia. Nova Venécia: AARQES, 2019. p. 12-31. Disponível para Download em: https://drive.google.com/file/d/1qLWTePp-scIwdOmrRdXdcx8J8q7O93v/view

Fonte: Jhon Martins / redenoticiaes

Leia mais

Leia também