Ativista desabafou com Felipe Neto antes de cometer suicídio: ‘Me ligou aos prantos’

Após a morte da ativista Sabrina de Campos, no último sábado (02), youtuber Felipe Neto fez uma publicação nas redes sociais lamentando o ocorrido e afirmando que havia conversado com a amiga um dia antes.

“A maior ativista do Brasil, Sabrina Bittencourt me ligou ontem aos prantos por não aguentar mais a dor e a pressão das ameaças de assassinos que a perseguiam pelo mundo. Ela denunciou o esquema do João de Deus e o colocou na cadeia. Denunciou e acabou com Prem Baba. Passou 20 anos trabalhando para ajudar jovens e mulheres vítimas de abusos pelo mundo. Ontem, após uma de suas testemunhas protegidas ter o abrigo invadido em Londres por matadores de aluguel, Sabrina me ligou aos prantos, sem saber mais o que fazer. Ela só queria ajudar, mas o mal guiado por milicianos, políticos no poder nesse momento e líderes religiosos poderosos, conseguiu vencer”, diz a publicação.

No texto, Felipe afirmou ainda que Sabrina se mudava toda semana para fugir das ameaças que sofria.

“Tentei o que pude, mas Sabrina não aguentava mais a luta. Ela mudava de país clandestinamente toda semana para fugir dos que a queriam morta. Há uma semana, um sujeito começou uma campanha para destruir a reputação de Sabrina, alegando que seria viciada em drogas e esquizofrênica e por isso nenhuma de suas denúncias deveria ser levada a sério. Seus filhos tinham que fugir constantemente de matadores. A invasão da casa de uma de suas protegidas, as ameaças constantes e a pressão de não ter mais vida além de fugir e denunciar fez com que ela me ligasse. E infelizmente não fui capaz de impedir”, destacou.

A ativista, que reuniu mulheres para denunciar os abusos sexuais cometidos pelo médium João de Deus e pelo guru Siri Prem Baba, tirou a própria vida na cidade de Barcelona, onde vivia atualmente.

A informação foi publicada pelo filho de Sabrina, Gabriel Brum, em sua página no Facebook. “Ela deu o último passo pra gente poder viver. Eles mataram minha mãe”, escreveu. Sabrina tinha 37 anos e sofreu abuso quando criança. A ativista deixou uma carta explicando os motivos que a levaram a tirar a própria vida.

Veja a publicação de Felipe Neto na íntegra!