Lama de rejeitos não atingirá Rio Doce, dizem prefeituras de Linhares e Colatina

As prefeituras dos municípios de Linhares e Colatina divulgaram nota sobre o desastre ocorrido com o rompimento da barragem de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Segundo as prefeituras, a lama de rejeitos não atingirá o Rio Doce, que abastece as cidades.

O prefeito de Linhares, Guerino Luiz Zanon, afirmou que recebeu a notícia do rompimento da barragem com lamento e tristeza. “Presto minha solidariedade às vítimas e a seus familiares. Tranquilizar a população linharense uma vez que a lama de rejeitos não atingirá o nosso Rio Doce”.

Guerino relacionou o desastre em Brumadinho com o rompimento da barragem em Mariana (MG). “É preciso apurar com rigor as causas e responsabilidades desta nova, mas anunciada tragédia que agora atingiu a Bacia do Rio São Francisco, com efeitos ambientais idênticos aos que atingiram a Bacia do Rio Doce, em novembro de 2015”.

Já a prefeitura de Colatina esclarece que o percurso dos rejeitos não abrange o município e, por isso, não há necessidade de alardes quanto à estocagem de água e outros, como já circula nas redes sociais da cidade e região. “O percurso desses rejeitos se limitam ao Rio Paraopeba que deságua na Bacia do São Francisco. Os órgãos municipais seguem monitorando informações e ações que estão sendo feitas naquela região”.

Sete mortos

O rompimento da barragem de Brumadinho deixou, ao menos, sete mortos. A informação foi confirmada pelo Major da Polícia Militar, Flávio Santiago, chefe da imprensa da corporação, ao Portal R7 na noite desta sexta-feira (25).

O Corpo de Bombeiros, no local, informou que o número de desaparecidos já chega a 300 pessoas. Rejeitos de lama atingiram a cidade na tarde desta sexta-feira.

Segundo os bombeiros, 51 oficiais e seis aeronaves estão empenhados no local. Os helicópteros estão realizando o resgate de inúmeras pessoas ilhadas em diversos pontos a todo momento.

Vale

A Vale do Rio Doce, empresa responsável pela barragem, divulgou nota sobre o ocorrido. Segundo o comunicado, a barragem estava localizada na Mina Feijão.

O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, disse, ao jornal O Globo, que a barragem de Brumadinho estava não ativa desde 2015 e em processo de descomissionamento. Schvartsman afirmou que ainda não há dimensão do tamanho do impacto, apesar de reconhecer que deva haver muitas vítimas.

Veja:

“Como vou dizer que a gente aprendeu (após o acidente de Mariana) se acaba de acontecer um acidente desses? O que posso dizer foi o que a gente fez depois do acidente. Viramos todas as barragens do avesso e contratamos as melhores auditorias do mundo para verificar o estado de todas elas. Fizemos tudo que a gente entende que era possível para garantir a segurança e a estabilidade. O fato é que não sabemos o que aconteceu e o que ocasionou, mas certamente vamos descobrir”, completou.

Ele informou que irá a Brumadinho tão logo haja climáticas para tal e reconheceu que houve um vazamento “significativo” e que deve haver muitas vítimas. “A região é de acesso muito difícil e uma região muito afastada. Tinham muitos funcionários da Vale no momento. Infelizmente, deve ter muitas vítimas”, disse.