Criança é encontrada viva ao lado de casal morto no Espírito Santo

A polícia apreendeu a faca usada para matar o casal, celulares e um pé de cabra.

Criança encontrada ao lado de casal morto — Foto: Luciney Araújo/ G1
Criança encontrada ao lado de casal morto — Foto: Luciney Araújo/ G1

Por Daniela Carla, TV Gazeta

Um casal foi assassinado dentro da casa que morava, no bairro Vilage do Sol, zona rural de Guarapari, na madrugada desta quinta-feira (22), por volta de meia-noite. Ninguém foi preso ainda pelo crime.

Jean Carlos Gonçalves de Jesus, de 19 anos, e Aline Ribeiro da Cunha, de 22, foram assassinados a tiros e facadas. Vizinhos ouviram tiros e a filha de Aline, que tem três anos foi encontrada no meio dos corpos, toda suja de sangue.

Familiares contaram que Aline trabalhava num quiosque em Setiba e Jean era auxiliar de obras.

Os corpos foram encontrados por um primo e um amigo de Jean. Os dois contaram que foram até a casa dele, por volta das 5h, para seguirem juntos para o trabalho, como faziam todos os dias, e estranharam que ele não esperava do lado de fora da casa. Ao entrarem, viram os corpos e a criança.

A polícia foi acionada e apreendeu a faca usada para matar o casal, celulares e um pé de cabra, que pode ter sido usado para arrombar a porta.

Nenhum vizinho ou familiar das vítimas soube dizer o que poderia ter motivado o crime. Aline e Jean não tinham passagem pela polícia.

A criança, filha de Aline, está provisoriamente aos cuidados de uma prima de Jean. O Conselho Tutelar do município informou que ainda não foi acionado pela polícia para o caso, mas que em situações desse tipo, será procurado um parente em até 3º grau da menina, que possa ficar com ela. Caso não seja encontrado, ela será levada para um abrigo.

Casal foi encontrado morto na casa que morava, no interior de Guarapari — Foto: Luciney Araújo/ G1
Casal foi encontrado morto na casa que morava, no interior de Guarapari — Foto: Luciney Araújo/ G1

Tio de vítima acabou preso

Um tio de Jean acabou preso no local. Policiais descobriram que havia um mandado de prisão no nome dele, Marcelo Gonçalves Fonseca, de 38 anos.

A polícia informou apenas que foi por um crime cometido em Minas Gerais e não deu mais detalhes. Disse que ainda que nada tem a ver com o assassinato do casal.