Brasileiro confessa que cortou pescoço de britânica e jogou corpo no rio

Por Indiara Bessa, G1 AM

Artur Gomes da Silva, conhecido como “Beira”, suspeito de participar do latrocínio da esportista britânica Emma Kelty, de 43 anos, confessou em depoimento ter cortado o pescoço da vítima e ter ajudado a jogar o corpo dela no rio. Ele foi preso nesta quarta-feira (20), no município de Coari, a 363 km de Manaus. Outras duas pessoas continuam foragidas.

Kelty foi morta a tiros durante uma expedição de caiaque pelo Rio Amazonas. Ao todo, quatro suspeitos foram detidos, entre eles um adolescente de 17 anos. Um outro suspeito morreu no Hospital em Coari, na manhã desta quarta, após trocar tiros com um grupo rival.

De acordo com o delegado de Coari, José Barradas, Artur prestou depoimento logo após ser preso nesta quarta-feira. Ele foi detido após uma denúncia anônima e não resistiu à prisão.

“Ele confessou que, após os tiros, ele, junto com outro suspeito, cortou o pescoço dela e depois eles jogaram o corpo dela no rio”, disse o delegado.

O delegado afirmou que o corte foi feito com um facão e não chegou a decapitar a vítima.

Artur foi preso após uma denúncia anônima. A Marinha do Brasil conseguiu localizar o suspeito e acionou a Polícia Civil para fazer a captura na comunidade do Sodré, localizada em frente a Ilha do Boieiro, onde a britânica foi morta.

Artur e outros três suspeitos detidos serão encaminhados a Manaus na manhã de quinta-feira (20). Os três maiores de idade serão encaminhados para um presídio ainda não informado.

O Governo Britânico informou, nesta terça-feira, que está em contato com as autoridades e “dando apoio à família da britânica que morreu no Brasil”.

Objetos encontrados

Alguns objetos roubados da britânica durante a abordagem dos assaltantes foram encontrados nesta quarta-feira.Um celular, um aparelho de GPS e um cartão de memória foram achados na comunidade Lauro Sodré, localizada em frente à Ilha do Boieiro, onde o crime ocorreu.

Objetos de Emma Kelty foram localizados em comunidade perto do local do crime (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Objetos de Emma Kelty foram localizados em comunidade perto do local do crime (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A comunidade e a ilha onde Emma foi morta ficam localizadas no município de Coari, a 363 km de Manaus. A localidade onde os objetos foram encontrados é a mesma em que alguns dos suspeitos moravam.

Segundo o delegado José Barradas Júnior, os pertences da britânica estavam escondidos entre as árvores. Ele conta que populares avistaram os aparelhos e acionaram a Polícia Civil.

Últimas postagens

“Uma mudança dramática em apenas um dia, mas o rio é assim mesmo. Cada quilômetro é diferente, e só porque uma área é ruim não significa que…”.

Esta é a última postagem, no Twitter, da atleta britânica que fazia uma excursão pelo rio Solimões. Foi ao ar na madrugada de quarta-feira, 13 de setembro. A atleta usava a rede social para documentar a viagem pela região.

A britânica foi desestimulada a seguir o trajeto sozinha. Chegou a fazer piada da situação em um tuíte no último dia 10: “Em Coari ou perto (a 100 quilômetros acima do rio) meu barco será roubado e eu serei assassinada. Legal”.

Segundo escreveu em um blog, o plano era descer o rio “sem apoio ou assistência”. A postagem foi feita em 9 de agosto, quando ela ainda estava em Iquitos, no Peru. No fim do texto, disse que estava ciente das dificuldades, mas que não tinha nenhum arrependimento.