Rejeição de Luciano pode levá-lo a perder a eleição ‘para ele mesmo’ em Barra de São Francisco

mai12-un-foto-05-03-12-g5Barra de São Francisco vive um momento ímpar na história política do município, com possibilidade de eleger um candidato que não tem sobrenome Pereira ou dos Anjos. Momento esse que está sendo comemorado por diversos segmentos da sociedade, principalmente pelo funcionalismo público.

Em outras eleições, candidatos como Machado e Zé Lauer e Waldeles Cavalcante, mais recentemente, foram eleitos e também não tinham em seu sobrenome Pereira ou dos Anjos. Mas então qual a diferença? A diferença é que mesmo não carregando no sobrenome, eles tinham os sobrenomes em seu DNA político.

Hoje, o candidato Alencar Marim (PT), mostrou que tem algo diferente dos demais. ele manteve uma candidatura independente, mesmo com ambos os grupos tradicionais da cidade lançando nomes para a disputa. Luciano Pereira (DEM), atual prefeito da cidade e filho do ex-prefeito Edinho Pereira, e, o candidato Waldeles Cavalcante (PSD), que já foi prefeito de Barra de São Francisco, e foi lançado com apoio de Enivaldo dos Anjos(PSD).

Com uma candidatura própria, Alencar aos poucos foi caindo na graça da população francisquense. Jovem professor, cheio de esperanças e vontade de trabalhar, Alencar apresentou um projeto de governo para administrar o município e cresceu com esse ideal.

Enivaldo e Waldeles estão com Alencar. Onde está a independência? Sim estão, mas no DNA político de Alencar não tem Pereira e nem dos Anjos. O apoio recebido foi após Waldeles desistir da candidatura. O apoio, que é bem recebido pelos correligionários de Alencar, não representa submissão, mas sim, uma junção de pensamentos que desejam mudança.

Mas Alencar Marim ganhou apoio de um grupo muito maior, muito mais forte, muito mais decidido a mudar. Maior que o apoio de Waldeles, maior que o apoio de Enivaldo e, maior até mesmo, que sua própria candidatura. Alencar ganhou um apoio que ganharia mesmo que estivesse sozinho. Alencar foi abraçado e levantado por uma massa que todos reconhecem na cidade hoje. O nome desse apoio é REJEIÇÃO DE LUCIANO.

Sem desmerecer o potencial, a capacidade e todas outras qualidades de Alencar, mas Luciano poderá dizer para seus netos que não perdeu a eleição para Alencar, para Enivaldo, Waldeles ou para o PT. Luciano poderá dizer que perdeu “para ele mesmo”. O maior carrasco de Luciano foi ele mesmo.

Dono de uma enorme rejeição, o prefeito Luciano Pereira, que foi eleito com a esperança de renovação e dias melhores para Barra de São Francisco, não conseguiu suprir as necessidades de uma população esperançosa. Perseguiu, maltratou, humilhou e teve seu nome envolvido em inúmeras denúncias de corrupção.

Hoje, Luciano se vê em uma situação crítica. Sem muita expressão, tanto na cidade quanto no interior, o prefeito tem dificuldades até de sair na rua para pedir votos. Rodeado sempre de aliados que ocupam cargos na prefeitura, Luciano busca forças para manter o capital político herdado do pai.

Ainda jovem, Luciano pode enfrentar sua primeira derrota nas urnas. Desde que foi lançado por seu pai, nunca sentiu o gosto de perder uma eleição. Após isso, terá que enfrentar um turbilhão de processos judiciais, frutos de sua inconsequência e sua arrogância. Talvez não seja o fim, talvez seja apenas um momento para que Luciano reflita bastante em tudo que fez durante sua meteórica carreira política. Talvez.