Mazinho do hospital pode assumir vaga de Emerson Lima na câmara em 2017

Renovação, essa foi a palavra na política de Barra de São Francisco,

A população renovou o prefeito, elegendo Alencar Marim (PT) para o lugar de Luciano Pereira(DEM) e também elegeu 8 novos vereadores para a legislatura 2017 a 2020.

03-1Esse número pode mudar na câmara municipal de Barra de São Francisco, já que o vereador reeleito Emerson Lima (DEM) responde a processos na justiça, o que pode fazer com que ele perca o mandato.

Caso Emerson Lima seja condenado e perder o mandato, quem assume no lugar dele na câmara municipal é Mazinho do Hospital (PMDB), que é primeiro suplente na coligação.

Mas Emerson Lima só perde os direitos políticos se esgotar todos os recursos e ainda assim for condenado. Isso significa que no dia da cerimônia de diplomação – solenidade em que a Justiça Eleitoral reconhece que o candidato foi eleito – mesmo se estiver preso, mesmo assim, pode ser diplomado.

Essa cerimônia não exige presença física, o candidato pode ser diplomado por procuração. E se estiver preso no dia da posse, poderá ser substituído por um suplente.

No ES, vereador preso foi o mais votado

O vereador eleito com o maior número de votos em Ibatiba, no sul do Espírito Santo, está preso deste o dia 6 de setembro no Centro de Detenção Provisória de Viana II, na Grande Vitória.

Carlos Alberto dos Santos, o Beto da Saúde, é do PSD. Mesmo na cadeia, acusado de improbidade administrativa e crimes de corrupção, ele recebeu 999 votos nas eleições deste domingo (2).

Ele já era vereador, foi reeleito e pode ser diplomado porque não é preso condenado.

O Ministério Público Estadual (MP-ES) disse que Beto da Saúde é acusado de corrupção eleitoral visando compra de votos, associação criminosa e peculato.

As investigações do MP-ES apontam que ele foi preso num processo em que é investigado por facilitar o agendamento de consultas, exames, encaminhamento de pacientes para cirurgia ou internação em troca de votos.

“A conduta criminosa se intensifica no período eleitoral, como comprovaram interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça durante a apuração”, afirmou o MP-ES.

A esposa do vereador, Ariane Escardine, informou que os advogados entraram com recurso, na intenção de que ele responda o processo em liberdade.

Beto da Saúde foi o mais votado em Ibatiba (Foto: Reprodução/ G1)Beto da Saúde foi o mais votado em Ibatiba

‘Surpresa seria se não fosse eleito’, diz promotor sobre vereador preso

“Ele está preso justamente por compra de votos”. Assim o promotor de Justiça e dirigente do Centro de Apoio Eleitoral (Cael), do Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES), Francisco Martínez Berdeal explicou o caso dovereador eleito em Ibatiba, que foi o mais votado mesmo estando preso. “Se ele não fosse eleito, seria surpreendente”, disse.

Beto Saúde está preso desde o dia 6 de setembro, no Centro de Detenção Provisória de Viana II, na Grande Vitória.  Ele é suspeito de improbidade administrativa e crimes de corrupção. Mesmo assim recebeu 999 votos e foi o candidato mais votado da cidade.

As investigações do MP-ES apontam que ele foi preso num processo em que é investigado por facilitar o agendamento de consultas, exames, encaminhamento de pacientes para cirurgia ou internação em troca de votos.

“Ele fidelizou uma clientela, com o oferecimento de serviços de saúde para essas pessoas e a clientela retribuiu essas benéfices que ganhou através de voto. É justamente esse o efeito”, disse Berdeal.

Pode ser diplomado

Berdeal explicou que a eleição do candidato foi possível porque o registro de candidatura foi deferido antes da prisão. “O registro dele por enquanto está válido. Essas ações ainda estão em curso”, disse.

Beto Saúde responde em duas esferas – criminal e cível eleitoral – pelos mesmos fatos. Mas só perde os direitos políticos se esgotar todos os recursos e ainda assim for condenado. Isso significa que no dia da cerimônia de diplomação – solenidade em que a Justiça Eleitoral reconhece que o candidato foi eleito – ele ainda pode estar preso e, mesmo assim, ser diplomado.

Berdeal acredita que essa é a situação mais provável, já que provavelmente a ação ainda estará em curso até o dia da diplomação, que deve ser no fim de dezembro.

“Provavelmente, o candidato poderá ser diplomado, mesmo preso. Essa cerimônia não exige presença física, o candidato pode ser diplomado por procuração”, explicou o promotor.

E se ele ainda estiver preso até o dia da posse, deverá ser substituído por um suplente. Os votos recebidos vão para a legenda ou o partido, conforme explicou Berdeal.

A esposa do vereador, Ariane Escardine, informou que os advogados entraram com recurso, na intenção de que ele responda o processo em liberdade.

Resultado final de vereadores em Barra de São Francisco

Não conseguiram se reeleger:
Carlim da Dengue
Jessuí da Cesan
Camatinha
Antônio Morais
Lula Coser
Tiãozinho da Colina

Não foram candidatos
Aloysio Alves
Valézio Armani

Vejam a lista dos 13 eleitos:
Rafael (DEM) – 1190 votos (NOVO)
Zilene do Pisiu (PMDB) – 1050 votos (NOVO)
Mulinha (PDT) – 1027 votos
Teco Ferreira (PSD) – 1021 votos (NOVO)
Emerson Lima (DEM) – 1008 votos
Cabo Jonciclé (PMDB) – 916 votos (NOVO)
Admilson Brum (PRP) – 859 votos (NOVO)
Juvenal Calixto (SD) – 766 votos
Huander Boff (PSB) – 741 votos (NOVO)
Zé Valdeci (PT) – 688 votos
Paulinho (PV) – 547 votos
Lemão Vitorino (PSD) – 427 votos (NOVO)
Zilma Matos (PT) – 342 votos (NOVO)