Racionamento de água afeta 30 municípios do Espírito Santo

Trinta municípios do interior do Espírito Santo estão enfrentando racionamento de água em domicílios. De acordo com o secretário de Agricultura do Estado, Octaciano Neto, além de prejudicar produção agrícola, a estiagem está afetando fortemente a vida da população capixaba.

“Em especial os municípios no Norte e Noroeste do estado, no Sul um pouco menos. Essas são as regiões onde nós temos déficit hídrico. Faz três anos que chove 50% menos do que a série histórica e isso já vinha atrapalhando a agricultura e agora também começa a afetar o abastecimento humano”, disse.

Leia também:

Vai faltar água para beber em Barra de São Francisco

ES decreta estado de emergência por causa de estiagem. Barra de São Francisco e mais 8 municípios já fazem racionamento

Racionamento: polícia interdita mais de 20 bombas de irrigação no Noroeste do Estado

 

O secretário explica que, por enquanto, a Grande Vitória está livre do racionamento. Os dois rios abastecem a região, Santa Maria da Vitória e Jucu, podem continuar com o mesmo ritmo de abastecimento até outubro de 2016. No entanto, uma nova estação de tratamento de água está sendo construída no rio Reis Magos para reforçar o abastecimento no município da Serra.

A estação de Reis Magos era uma obra prevista para 2020 no plano da Cesan, e foi antecipada e agora está na metade do processo de construção, então são medidas que precisam ser tomadas rapidamente”, contou.

Mesmo com a nova estação, Otaciano diz que outras questões podem influenciar o abastecimento de água na região metropolitana do Espírito Santo e que a contribuição da população na economia de água é fundamental.

“Há duas variáveis importantes, uma é o comportamento das chuvas, e com o fim do fenômeno El Niño, previsto para julho, nós podemos voltar a ter chuva dentro da média histórica. Outra variável importante é a redução do consumo por nós, moradores da Grande Vitória, e isso pode fazer com que o abastecimento dure mais tempo”, disse Octaciano.

Agricultura

Os produtores rurais do Espírito Santo já sofrem com a falta de chuvas há três anos. O café, principal produto produzido na região, está passando por um recorde de perdas de produção.

O café conilon vai ter uma queda superior a 50%, e certamente essa vai ser a maior quebra de safra da nossa história. E por isso é necessário um conjunto de medidas para minimizar o sofrimento dos produtores e das cidades”, contou Octaciano.

Plantação de café está ameaçada pela seca, em Vila Valério, no Espírito Santo (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Plantação de café está ameaçada pela seca, em Vila Valério

No entanto, o secretário garante que ações estão sendo tomadas para ajudar os agricultores e comemora a Medida Provisória 707/2015, aprovada no Senado nesta terça-feira (17), que amplia o prazo que os produtores podem quitar a dívida do crédito rural.

“É uma ótima notícia, porque com dois anos seguidos de quedas acentuadas de produção, o produtor com certeza está com dificuldades de pagar seu financiamento”, diz o secretário.