Sem poder mandar nas vagas da Educação, vereadores pedem cabeça de secretário

CâmaraDepois que vereadores perderam o “poder” de indicar qualquer um para as vagas na secretaria municipal de Educação de Barra de São Francisco, o clima esquentou e o secretário, que antes era tido por eles mesmos como competente e correto, agora está na corda bamba.

Muito vereadores, principalmente os que se acostumaram a indicar cargos, estão revoltados com Aldair Antônio Rhein, que realizou um processo seletivo, com objetivo de contratar melhores e mais preparados profissionais para a área de Educação de Barra de São Francisco.

Alguns já “pediram a cabeça” do secretário, pois acreditam que com outro lá ficará mais fácil manipular as contratações.

O processo seletivo é realizado na educação do estado e também em educação municipal de outros municípios. Barra de São Francisco ainda era um dos pouquíssimos municípios em que os vereadores é que escolhiam quem queriam colocar nas vagas.

Segundo informações, alguns “poderosos” tinham de 60 a 100 vagas para indicar quem bem entendessem.

A ideia de perder a “mamata” já causou intriga até entre os próprios vereadores. Em abril de 2013, o vereador Paulinho do Hospital (PV), apresentou um projeto de moralização das contratações de cargo público, e seu projeto foi reprovado na câmara. Veja aqui

Está na hora de acabar com vantagens de vereadores nas eleições que mesmo antes de iniciar a corrida por votos, alguns já saem na frente devido os compromissos de empregos feitos por famílias em Barra de São Francisco e o que queremos é moralizar a coisa pública, posso até ser vereador de apenas um mandato, porém quero fazer o melhor e honrar o meu nome e o nome de minha família e sempre fazendo e procurando fazer a coisa certa”, justificou Paulinho na época.

O projeto do vereador, que foi reprovado pelos seus colegas de plenário, já naquela época tinha como objetivo moralizar as contratações que sempre são feitas por indicação de vereadores. O projeto narrava que o município teria contratações, mas, através de um processo seletivo, ou seja, será contratada a pessoa melhor qualificada para o cargo.

A secretaria municipal de educação seguiu os passos do projeto do vereador Paulinho do Hospital, mas está sendo rechaçada por homens que querem continuar com o “poder” de indicar seus apadrinhados para cargos que exigem qualificação profissional.