Se não chover nos próximos dias, Vila Pavão deve decretar Situação de Emergência

DSCN0487-1024x768Vila Pavão que enfrenta muitos problemas devido à estiagem na região, está na eminência de decretar Situação de Emergência no município. Na última sexta-feira, 23/01, agentes da Defesa Civil, circularam o município para avaliar a situação dos mananciais hídricos que fornecem água para o consumo humano, animal e para irrigação.

Conforme informações do coordenador na Defesa Civil no município, Weverton Gueis Rodrigues, a situação não é nada animadora. Todos os Córregos estão com baixo nível de água, alguns já estão secando, como no distrito de Praça Rica, onde o fornecimento de água já está sendo interrompido, porque o córrego que abastece a localidade, que em situação normal possui um razoável volume de água, está secando em alguns períodos do dia.

O abastecimento de água da sede do município também pode ser comprometido, pois, o Córrego Socorro que fornece água para a cidade está com volume baixíssimo e as autoridades pedem para a população economizar água.

Segundo o coordenador da Defesa Civil local, foi cogitado decretar Situação de Emergência na última sexta feira, 23, o que o não ocorreu devido à chuva que caiu no município no período da tarde do mesmo dia. Porém, se a estiagem persistir, isso deve acontecer na semana que se inicia.

Estamos fechando o relatório sobre a situação da seca no município. A situação é grave. A escassez de água já afeta o dia-a-dia das pessoas. O gado está ficando fraco porque as pastagens secaram e a próxima safra já está comprometida”, diz.

O Estado de Emergência é decretado em casos excepcionais. Serve para aumentar o poder do governo nos momentos de crise:  desastres, chuvas fortes e grandes estiagens

Previsão do Incaper é de pouca chuva em janeiro

A equipe de meteorologia do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) explica que o processo de estiagem que está ocorrendo em todo o Espírito Santo, do ponto de vista meteorológico, está associado ao baixo volume de chuvas que ocorreu no ano de 2014, em que o total de chuva acumulado ficou abaixo da média histórica principalmente nos meses chuvosos, de janeiro a março e de meados de outubro a dezembro.