2015: Estiagem prolongada causa prejuízos em Vila Pavão

10406598_786782571358449_7270226529952463810_n-800x600Segundo os técnicos do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a seca no Espírito Santo é do ponto vista meteorológico e está associada ao baixo volume de chuva que ocorreu no ano de 2014, o que por sua vez, ficou abaixo da média histórica.

Se observarmos o gráfico pluviométrico de Vila Pavão, disponível no instituto, vamos perceber que o volume de chuvas, vem diminuindo ao longo dos últimos anos. Para se ter ideia, no ano de 2013 caiu no município 1.117 mm de chuva. Em 2014, o índice desceu para 800,3 mm. Já o ano de 2015 iniciou com um nível preocupante. Até o momento choveu apenas 10 mm, um dos menores índices registrado para um mês de janeiro.

1661775_786782604691779_1066674362787955559_n-e1422616684337

10583852_786782728025100_7558831881403621705_n-800x600Vila Pavão não é cortado por nenhum grande rio. Sua estrutura hídrica é composta por um conjunto de córregos que em situação normal, fornece água a contento para o consumo humano, animal e para irrigação.

A longa estiagem, no entanto, já causa transtornos e preocupação nos habitantes das zonas urbanas e muitos prejuízos no meio rural. O sistema de abastecimento de água tratada para a população urbana está no limite. O Córrego Socorro, onde está localizada a estação de captação da Cesan que fornece água para a sede do município, do ponto em que foi represado para a frente, está praticamente seco. No distrito de Praça Rica, a situação é mais grave ainda. A maior parte da água do Córrego de mesmo nome que abastece a localidade está sendo sugada pelas bombas dos produtores rurais que a utilizam na irrigação de lavouras. No distrito de Todos os Santos, o fornecimento de água tratada para cerca de 100 famílias da localidade já começa a sentir os efeitos com o baixo volume dos córregos.

De acordo com a Defesa Civil local, os principais córregos e barragens do município estão secando. A água não corre mais perenemente no Córrego Socorro, Córrego Laginha, Córrego Peneira, Córrego São Sebastião, Córrego Bela Aurora, entre outros.

O pouco fluxo de água nos leitos dos córregos está acarretando falta de água nas propriedades também e isso está gerando um forte impacto na cafeicultura e pecuária, as principais atividades econômicas do município.

De acordo com dados preliminares divulgados pelo chefe do escritório do Incaper de Vila Pavão, Rogério Durães de Oliveira, a cafeicultura do município já acumula prejuízos em torno de 15% a 20%; pecuária de leite de 25% a 30%; fruticultura 20% e culturas anuais 40%.

10583852_786782728025100_7558831881403621705_n-800x600 10896983_786782771358429_4917478447448731450_n-800x600 10406598_786782571358449_7270226529952463810_n-800x600 10154965_786782601358446_2639838845565308599_n-800x600 10933866_786782871358419_2605967054240597575_n-800x600 10440186_786782851358421_7001649500823808006_n-800x600 1661775_786782604691779_1066674362787955559_n-e1422616684337