Homem agride companheira para forçar aborto e acaba preso

Grávida de quatro meses, uma jovem, de 19 anos, foi agredida pelo companheiro, também de 19 anos, na manhã deste domingo (29), no bairro Santo Antônio, em Cariacica.

O rapaz é usuário de drogas e vive com a mulher há três anos. Ele confessou ter tentado forçar o aborto do filho após uma discussão com a mãe da criança. A mãe do rapaz, uma doméstica, de 40 anos, foi quem separou a briga do casal e chamou a polícia.

A vítima contou que o companheiro acordou transtornado na manhã de domingo (26). Ao dizer que estava saindo para ir à igreja, o rapaz a proibiu de sair de casa. “Ele trancou a porta da casa e disse que eu não sairia enquanto não perdesse o bebê. Aí começou a me pressionar contra a parede apertando minha barriga, me jogou na pia do banheiro e me obrigou a tomar duas cartelas do meu suplemento de ácido fólico”, conta a grávida.

Juntos há quatro anos, a jovem conta que é a primeira vez que o namorado a agrediu e que ele estava feliz com a gravidez. “Nem eu entendi. Ele já quebrou objetos dentro de casa, porque sempre fica agressivo após usar drogas, mas nunca encostou a mão em mim”, diz.

A mãe do acusado contou que chegou na casa do casal e ao ver a briga, entrou no meio dos dois. “Vi que ele estava alterado e separei para proteger o meu neto e não deixar meu filho fazer o pior”, conta a mãe.

A delegada de plantão da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, Millena Senhorinho, disse que Guilherme foi autuado por ameaça e lesão e encaminhado para o Centro de Triagem de Viana. A jovem passa bem e não perdeu o bebê, mas caso apresente algum sintoma, será monitorada nos próximos dias.

“Ele trancou a porta da casa e falou que eu só iria sair depois de abortar”, grávida

Como começou a discussão?

Nós sempre discutimos. Mas hoje de manhã ela estava reclamando muito porque saí do meu emprego, o aluguel da casa está atrasado e disse que maldita a hora que foi ter um filho meu. Imagina ouvir uma coisa dessas. Você chega em casa cansado e ainda é obrigado a ouvir isso. Então disse que como ela estava amaldiçoando nosso filho, era melhor tirar o bebê.

Você a agrediu para matar o bebê?

Não bati nela, só discutimos e eu a empurrei na parede e segurei a barriga. Preferia matar o meu filho. Qualquer um faria isso. Falei que já que ela não queria ter um filho meu, iria ajudá-la a tirar a criança.

Você usou droga?

Hoje só fumei maconha e cheirei cocaína.

E vai assumir a criança?

Enquanto ela estiver grávida não vou mover mais uma palha. Depois que o bebê nascer ele vai ser meu, vai ficar comigo. Não quero mais contato com ela.