Seleção desembarca em Brasília com recepção calorosa dos torcedores

Nem o frio, a hora ou a distância foram suficientes para intimidar cerca de 150 torcedores que fizeram plantão à espera da Seleção em Brasília. Eles fizeram questão de aguardar até às 22h34 em um dos portões da Base Aérea de Brasília, em uma área afastada do saguão de desembarque convencional do aeroporto da capital federal, para recepcionar os jogadores. Na próxima segunda-feira, o Brasil faz um jogo decisivo contra Camarões em busca de uma vaga nas oitavas de final da Copa do Mundo.

Torcedores esperam Seleção Brasil em Brasília (Foto: Thiago Correia)Torcedores esperam a Seleção com festa em Brasília (Foto: Thiago Correia)

Antes disso, um grupo de torcedores começou a se aglomerar no saguão do aeroporto de Brasília. Mas a incerteza se os jogadores passariam por ali tomava conta de todos. Fã do zagueiro David Luiz, a estudante Alanna, de 12 anos, fez uma faixa para recepcionar o ídolo:  “Somos apaixonadas pela Seleção. Somos apaixonadas por você, David Luiz”. Mas ao perceber que os jogadores não passariam por ali, saiu correndo com a mãe para tentar a sorte na porta do hotel da Seleção.

– Pensei que eles passariam por aqui. Mas, pelo visto, não vai ser. Passei a admirar o David Luiz no ano passado. Ele é muito atencioso com os torcedores e com as crianças. Gosto mais dele do que do Neymar – disse Alanna, querendo sair logo do aeroporto.

Faixa David Luiz Torcida Seleção Brasileira  (Foto: Thiago Lavinas)Torcedoras levam faixa para o zagueiro David Luiz (Foto: Thiago Lavinas)

Perto dela estava o pequeno Arthur, de 11 anos. Olhos atentos em cada um que saía da sala de desembarque. Mas algo parecia estranho. Ele vestia uma camisa da Holanda, do camisa 10 Sneijder. Sneijder?

– Ele ficou um pouco chateado porque a camisa do Brasil estava lavando. Aí veio com essa. Ele é fã do Sneijder. Mas espero que dê sorte – explicou o pai João Koller.

O tempo passou e não demorou para o grupo perceber que a seleção não passaria por ali. Enquanto isso, a informação de que o ônibus da Seleção sairia por um dos portões da Base Aérea de Brasília se espalhou. Alguns ficaram sem saber direito o que fazer. Outros correram para lá. A pequena Eloá, de 2 anos, estava entre eles. Mas não resistiu ao horário e acabou dormindo. Só acordou com o barulho da festa da torcida na hora da chegada.

– Ela estava muito empolgada quando falamos que íamos ver a Seleção. Mas não aguentou e acabou dormindo. Ainda assim, acho que ela vai gostar de ver as fotos daqui depois – afirmou o pai Wilkerson de Oliveira.

O estudante André Botelho, de 22 anos, sabia que veria apenas o ônibus da Seleção passar. As janelas corriam o risco de estarem fechadas. Uma espera de quase duas horas para apenas alguns segundos de emoção. Mas achava que valia a pena.

– A gente tinha que aproveitar essa chance. Mesmo que seja só para ver o rosto deles na janela, vale a pena. Um dia, vou poder contar no futuro que vi os campeões de 2014 quando chegaram em Brasília – disse André.

Torcida Seleção Brasileira Desembarque (Foto: Thiago Lavinas)Torcida de Brasília comparece em grande número (Foto: Thiago Lavinas)

Acompanhado da namorada, Cecília Porto, de 24 anos, e do amigo Railton Magalhães, de 21, o torcedor já estava indo para o aeroporto quando soube por meio de um conhecido que as seleções estavam utilizando a Base Aérea para desembarque durante a Copa. Botafoguense, André não estava preocupado em ver Neymar, Julio César ou Felipão. Queria mesmo era tirar uma foto do goleiro Jefferson.

– O Jefferson é o orgulho do Fogão hoje. Por conta dele, o Botafogo continua sendo o time que mais cedeu jogadores para a Seleção em Copas do Mundo – completou o estudante.

Crianças no aeroporto esperando a Seleção Brasileira (Foto: Thiago Lavinas)Fila grande: muitos adultos e crianças do lado de fora do aeroporto esperando a seleção brasileira (Foto: Thiago Lavinas)

O advogado Antônio Gonçalves foi outro que fez questão de ir com a esposa e a filha de oito anos aguardar o desembarque da Seleção. Morador do Lago Sul, estava saindo de casa quando viu a chegada do comboio que buscou a delegação.

– A minha filha estava ansiosa querendo ver o time. Como não tínhamos ingresso para o jogo, achamos que seria a melhor oportunidade – disse Antônio.

– Eu gosto muito de jogo e queria conhecer o Neymar – completou a pequena Malu.

O Brasil faz um treino de reconhecimento do gramado do Mané Garrincha neste domingo, às 18h30. A partida contra Camarões está marcada para segunda-feira, às 17h.