Fundador da Telexfree é preso nos Estados Unidos, e sócio capixaba já é considerado foragido

james_merrill_min_dcee-1365429Um dos fundadores da Telexfree, o americano James Matthew Merrill, foi preso nesta sexta-feira (09), nos Estados Unidos. As autoridades também emitiram um mandado de prisão para o co-fundador brasileiro, Carlos Wanzeler, que agora é um fugitivo da Justiça, já que teria vindo para o Brasil enquanto o inquérito criminal ainda não havia sido concluído.

A empresa foi criada em 2002 pelo americano, junto com a brasileiro Carlos Nataniel Wanzeler, mas só ganhou corpo dez anos depois, quando começou a atrair investidores no Brasil com a promessa de lucrarem com a venda de pacotes de telefonia VoIP. No Brasil, mais de 1 milhão de pessoas investiram na Telexfree.

Autoridades brasileiras e americanas acreditam que a venda do serviço de telefone seja apenas uma fachada para uma pirâmide financeira, que é crime nos dois países.

Em abril deste ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CMV) americana determinou o congelamento dos bens do grupo Telexfree, de seus sócios e de três grandes divulgadores. Segundo a CVM americana, a Telexfree faturou apenas R$ 2,9 milhões com vendas de pacotes VoIP entre agosto de 2012 e março de 2014, ou pouco mais de 1% dos R$ 2,5 bilhões que prometeu pagar aos divulgadores. Nesse período, a empresa vendeu apenas 26,3 mil pacotes VoIP, embora admita ter cerca de 700 mil divulgadores em todo o mundo.

Ao denunciar a Telexfree, a CVM americana a descreveu como uma “máquina de fazer dinheiro”. Afirmou ainda que Merrill era dono de um pequeno negócio de limpeza antes de montar a empresa de VoIP, sem nunca ter atuado no ramo das comunicações, e ficou milionário.

Apenas em dezembro de 2013, quando a empresa já era investigada nos EUA, o empresário recebeu R$ 7,3 milhões da Telexfree. Carlos Wanzeler, seu sócio brasileiro, retirou R$ 10,1 milhões.

Processo no Brasil

No Brasil, o empresário também é acusado de criar pirâmide financeira. Merril é réu de uma ação civil pública do Ministério Público do Acre (MP-AC), mas o caso ainda não foi julgado.

Em junho de 2013, as atividades e contas da Ympactus Comercial, braço brasileiro da Telexfree com sede em Vitória, foram bloqueadas a pedido do MP-AC. O negócio, porém, continuou a atuar no País por meio das unidades do grupo nos Estados Unidos.