Dilma anuncia “cartão desastre” e diz que vai fiscalizar gastos de prefeitos

  A presidente Dilma Rousseff sobrevoou nesta sexta-feira (27) cidades mineiras atingidas pela chuva e anunciou ajuda do Governo Federal, como a liberação do Cartão do Desastre para os municípios que decretaram estado de emergência ou de calamidade, além de ações conjuntas com os governos de Minas e Espírito Santo.  “Numa emergência não dá para liberar (recursos) pelos canais normais, por isso criamos o cartão desastre para superar a burocracia na liberação recursos”, disse a presidente.

Dilma lembrou que os municípios que decretarem emergência ou calamidade pública recebem o cartão para pequenas obras e limpezas de rua, mas cobrou o controle dos gastos. “Damos o cartão e controlamos o que o prefeito vai gastar. Em princípio, não tem limite, mas estamos de olho nele, porque dinheiro público é dinheiro público”, disse. “Temos uma extrema fiscalização que é eletrônica, online”, completou Dilma.

No Espírito Santo, 54 municípios estão em alerta por conta de estragos causados pela chuva.

A presidente falou ainda que de uma forma geral, está preocupada com a situação que as enchentes têm causado em cidades de Minas e do Espírito Santo, e anunciou um conjunto de ações em parceria com os governos desses dois estados.

“A primeira ação é evitar que haja mais mortes em função das chuvas através da utilização de mecanismos de alerta, como pluviômetros, radares e mapeamento de risco de todos os municípios com histórico de inundações, desabamentos e desmoronamentos. A segunda, o trabalho de reconstrução, não só da infraestrutura, como pontes, casas e estradas, como também com o envio de ajuda para os municípios em forma de remédios, material de limpeza e, cama, mesa e banho. A terceira e mais importante ação é o trabalho de prevenção, através de obras de contenção de cheias, encostas, drenagem e assoreamento dos rios e córregos”, concluiu a presidenta, antes de retornar para a Salvador (BA).

(Agência Estado)