Comandante-geral da PM diz que tenente-coronel da carteirada não foi promovido

SiteBarra+Barra+de+Sao+Francisco+Edmilson0O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Edmilson dos Santos, afirmou que o tenente-coronel José Dirceu Pereira, envolvido no episódio da carteirada durante uma blitz na Reta da Penha, em Vitória, no dia 13 de outubro, não foi promovido e apenas realizou um cumprimento formal da Lei que rege a PM.

Ele explicou os motivos que o levaram a colocar o tenente-coronel no cargo de chefe do Centro Administrativo/Ajudância-Geral da Polícia Militar do Espírito Santo.

Leia também:

Oficial da PM capixaba que deu “carteirada” em Blitz é afastado


Quando houve a denúncia e o inquérito foi instaurado, o tenente-coronel José Dirceu foi afastado de imediato do cargo que ocupava. Mas na Polícia Militar um oficial, seja ele tenente-coronel ou soldado, não pode deixar de estar trabalhando e ficar na geladeira. Só quando estiver de férias, luto ou alguma doença, por exemplo. Fora isso, tem que trabalhar, ter um setor de trabalho especifico, uma função definida. É a Lei que rege a PM”, explica o comandante da PM.

A escolha do cargo, segundo Santos, foi feita com o intuito de não deixar outros praças subordinados diretamente ao tenente-coronel. “Decidi colocá-lo num setor em que ele não possa influenciar, de qualquer maneira, o processo de apuração durante o inquérito policial. Ele está em uma função onde não tem ascendência ao corpo quantitativo de policiais”, afirma.

 

Fonte: Gazetaonline