Cafés conilon de Afonso Cláudio e Iúna são os melhores do ES

Os cafeicultores Leonel Luiz Teixeira, de Afonso Cláudio, e Emílio Messias Horts, de Iúna, são os grandes vencedores do primeiro ‘Prêmio Conilon de Qualidade’. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (11), no Palácio Anchieta, e contou com a presença do governador Renato Casagrande.

Leonel Luiz Teixeira produziu o melhor café na categoria ‘Cereja Descascado’ e Emílio Messias Horts foi o vencedor na categoria ‘Conilon Natural’.

“É a primeira vez que participo de um concurso e a premiação me deu um grande incentivo para trabalhar mais. Produzo conilon descascado há apenas dois anos e o investimento em qualidade dá mais retorno financeiro”, afirmou Leonel Luiz Teixeira.

“Investi na qualidade para buscar reconhecimento de mercado e o prêmio dá uma boa expectativa para quem produz. Como a lavoura está em Iúna, que é região mais fria, utilizei a mesma técnica de produção do arábica e o resultado foi muito positivo”, declarou Emílio Messias Horts.

O concurso estadual, inédito, realizado em parceria pela Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), prefeituras municipais e a empresa Conilon Brasil, faz parte das atividades comemorativas dos 100 anos de existência do café conilon no Espírito Santo.

“Encerrar as celebrações do centenário do café conilon premiando quem acredita na cultura e busca a excelência na produção é uma grande Vitória para esta gestão. Comemoramos, mesmo tendo muito ainda a avançar, a melhoria da qualidade física e sensorial. Da mesma maneira, fortalecemos o trabalho para termos um café com melhor preço, que possa ser consumido como bebida, e que conquiste um espaço de destaque no mercado nacional”, destacou o governador.

“A cafeicultura representou o primeiro ciclo de desenvolvimento capixaba e, atualmente, é uma importante ferramenta de harmonização do desenvolvimento econômico. Ainda não existia um concurso estadual de qualidade do café conilon, mas hoje temos café de excelência no Espírito Santo. Esta premiação é importante para mostrar o quanto já avançamos e o quanto precisamos avançar em pesquisa de inovação e transferência de conhecimento para os agricultores”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli. “No futuro, a qualidade será fator determinante para o comércio de café e, quem não estiver dentro dos padrões, não vai conseguir se manter no mercado”.

“O conilon que até pouco tempo era desacreditado por todos, surpreende e faz história no Espírito Santo. Valorizamos hoje, com esse concurso estadual, os produtores que acreditaram no produto que faz do Estado o segundo maior produtor mundial do grão. O Incaper, por meio dos pesquisadores e técnicos, primam pelo atendimento aos produtores e incentivam a todos pela busca da qualidade para gerar cada vez mais emprego e renda no rural capixaba”, afirmou o diretor-presidente do Incaper, Evair Vieira de Melo.

Foram avaliadas 400 amostras de 40 municípios capixabas. Os materiais foram analisados e testados por degustadores, dentro dos padrões internacionais estabelecidos para definir a qualidade do café. Os cinco primeiros colocados de cada categoria receberam premiação em dinheiro, troféu e brindes dos patrocinadores do concurso.

A premiação também contou com as presenças do presidente do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Evair Vieira de Mello; do prefeito de Santa Leopoldina, Romero Endringer; do prefeito de Itaguaçu, Romário Basílio; do prefeito de Pedro Canário, Antonio Fiorot; do prefeito de Castelo, Cleone Gomes do Nascimento; do diretor da Conilon Brasil, Adelino Thomazini; do presidente do Centro de Comércio do Café de Vitória (CCCV), Luiz Antonio Polese; do superintendente do Centro de Desenvolvimento Tecnológico do Café (CETCAF), Frederico Daher; o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Espírito Santo (Senar/ES), Neuzedino Alves de Assis; o presidente do Sincafé Sérgio Brambilla; do diretor da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Egídio Malanquini; produtores rurais e outras personalidades.

 

Livro do Centenário é lançado

Na solenidade de premiação do ‘Prêmio Conilon de Qualidade’, o Governo do Espírito Santo lançou o livro ‘Conilon Capixaba: 100 Anos de Desafios, Crescimento e Inovação’.

Escrito pela doutora em História e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Patrícia Merlo, a publicação de 100 páginas conta a trajetória da cafeicultura de Conilon no Estado e os avanços buscados para a atividade continuar sendo pujante em terras capixabas.

 

O Conilon no ES

O parque cafeeiro de Conilon em produção no Espírito Santo possui aproximadamente 300 mil hectares de lavouras, conduzidas por 78 mil famílias, em 40 mil propriedades agrícolas e o Estado é o maior produtor de café Conilon do Brasil.

Na safra 2012, a produção estadual quase atingiu 10 milhões de sacas, um recorde, respondendo por 76% da produção brasileira deste tipo de café. A atividade, que é a principal da agropecuária capixaba, gera cerca de 250 mil empregos e o faturamento aproximado dos produtores capixabas na safra atual é de R$ 2,5 bilhões.

 

Confira os Vencedores do “Prêmio Conilon de Qualidade”

 

Categoria ‘Cereja Descascado’

 

1º Leonel Luiz Teixeira – Afonso Cláudio

2º José Eraldo Delpupo – Afonso Cláudio

3º Ernames Marques da Silva – Santa Teresa

4º Bento Venturim – São Domingos do Norte

5º Altamiro Ludke – Afonso Cláudio

 

Categoria ‘Conilon Natural’

 

1º Emílio Messias Horts – Iúna

2º Sérgio Cellim – Jaguaré

3º Zenomar Zandonadi – Afonso Cláudio

4º Mariceia A. B. Pancini – Cachoeiro de Itapemirim

5º Sérgio Malavasi – Nova Venécia

 

Homenagem a técnicos do Incaper

 

Durante o evento também foram homenageados os técnicos dos escritórios do Incaper que assistiram aos produtores vencedores do primeiro ‘Concurso Estadual de Conilon de Qualidade’.

Os técnicos que receberam a homenagem em nome de toda a equipe do escritório foram:Welington Braida Marre, do escritório de Nova Venécia; Ramiro Teixeira de Lima, de Cachoeiro de Itapemirim; Anderson Geraldo Pagotto de Moura, de Afonso Cláudio; Cláudio Deps Almeida, de Iúna; Valchirio da Silva, de Jaguaré; José Henrique Teixeira Chieppe; de São Domingos do Norte; e José Luiz Nunes, de Santa Teresa.