Qual seria o melhor prefeito para Barra de São Francisco?

Faltando pouco mais de sete meses para as eleições municipais, a pergunta que mais se ouve nas ruas é, qual seria hoje o melhor prefeito para Barra de São Francisco?

As opiniões estão divididas e os eleitores ainda não têm certeza de um nome para substituir Waldeles Cavalcante (PSC), que não pode ser candidato à reeleição.

Os dois principais grupos políticos da cidade, Pereiras e dos Anjos ainda não definiram seus candidato, mas os eleitores mais “apaixonados” por esses grupos apostam em uma candidatura de seus principais líderes, o deputado estadual Luciano Pereira (DEM) e o ex-conselheiro Enivaldo dos Anjos (PSD). Mesmo sem eles afirmarem que são candidatos, pois acreditam que ainda é muito cedo para definir, os seus seguidores divulgam isso por todos os cantos da cidade.

De uma coisa o eleitor pode ter certeza, se um deles for candidato, o outro dificilmente será, pois mesmo com a rivalidade política reinando nessa pequena cidade de quarenta mil habitantes, nunca se viu uma disputa direta entre Pereiras e dos Anjos, então, em 2012, isso seria praticamente impossível.

Se a análise for feita pelo momento, Luciano aparece com maiores chances, pois além de estar em seu mandato de deputado é oposição à atual administração, que não anda muito bem no conceito da população. Por outro lado, nessa reta final, o grupo de Waldeles deve unir forças com outros grupos, inclusive com o de Enivaldo, para tentar garantir a eleição de seu sucessor.

Se a análise for feita pelo lado financeiro ou de posição, Enivaldo poderia não se interessar muito, pois já está aposentado, já foi prefeito, deputado, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, voltar a ser prefeito seria quase que um retrocesso em sua carreira política. Seria, pois se olharmos por outro lado, quem foi rei nunca perde a majestade e quem se acostumou a ter poder tem dificuldades pra viver sem ele. Segundo especialistas políticos, a verdadeira vontade do ex-conselheiro é voltar à assembleia legislativa, e o caminho mais curto para isso seria através da prefeitura francisquense.

Interesses políticos e pessoais a partes, outros grupos menores correm por fora nessa disputa e, Barra de São Francisco pode ter uma eleição com três ou talvez até mais candidatos a prefeito. O PT por exemplo, até o momento, está decidido a lançar candidatura própria. O partido tem o atual secretário de ação social Alencar Marim e o professor e ex-vereador Mário Agapito. Segundo lideranças do partido, um dos dois será o nome apresentado para disputar a eleição este ano. Mário tem experiência de vários anos na política francisquense e Alencar leva como bagagem justamente o inverso, é jovem e novo na política, o que pode ser uma vantagem. Ainda não tem data, mas o partido decidirá internamente qual será o nome.

Outro partido que pretende lançar candidatura própria é o PMDB, que depois de anos sempre ficando com vice ou com algumas secretarias, teria decidido ter vida própria. Alguns acreditam nessa nova postura do partido, mas a grande dificuldade e um nome forte para a disputa. Até então, os nomes mais cogitados são do atual vice-prefeito, Paulo César Andrade (Paulinho Caipora) e do atual presidente da Câmara, Adilton Gonçalves. Independente do nome escolhido, o PMDB enfrentaria outra dificuldade, conseguir aliados para compor a chapa com os dois. Mesmo com alguns veículos de comunicação, que sofrem a influência desses partidos, ficaram ventilando seus nomes como possíveis candidatos, a chance é mínima, e o PMDB deve mesmo ficar com uma vice e/ou alguma secretarias, como sempre.

Dois partidos estão em posição diferente que os demais, são eles o PSB, que tem como presidente no município o comerciante Uander Cardoso (Bofe) e o PR, presidido em Barra de São Francisco por Moabe Souza. Esses dois partidos não falam em lançar candidatura própria, mas pensam em fechar com um grande partido e ficar com a vice. O PSB entra na briga com trunfo de ser o partido do governador do Estado e o PR, o partido do Senador Magno Malta. Nesse momento, todas as decisões são tomadas de cima para baixo e os presidentes municipais ainda não confirmam aliança com nenhum partido, só estão conversando, mas aguardam uma decisão em nível de estado.

Outro ponto o PR e o PSB têm em comum, as poucas chances de se aliarem com o DEM de Luciano Pereira. Eu disse poucas, pois no fritar dos ovos, tudo pode acontecer e uma virada de 360 graus na reta final de uma eleição não é descartada.

O PDT tem única e exclusivamente o nome do vereador Dr. Aloysio Alves, que até pode ser candidato a prefeito, desde que consiga o apoio dos outros partidos. Segundo análises de quem acompanha a política de perto, Dr. Aloysio seria o nome mais leve e que melhor agrada ao famoso grupo do comércio.

Outra novidade que pode surgir esse ano é a entrada de vez da mulher na política local. Muitos nomes estão surgindo e as mulheres estão demonstrando muita força e, podem sim, tem um lugar de destaque na administração municipal. Alguma já estão na política outras estão surgindo agora, e não seria tanta surpresa se uma mulher fosse a vice ou até mesmo ocupasse a vaga de prefeita da cidade, como já ocorre em cidades vizinhas, como São Gabriel da Palha. Entre os nomes mais cogitados estão o da professora Meiremar Saar e o da atual secretaria municipal de educação Beta Gaiote

De uma coisa o eleitor pode ter certeza, tem muito peixe para um aquário pequeno. PMDB, PR, PSB, PSC, PSD, PDT e PT vão enfrentar um dilema – Ou se juntam e dividem cabeça, vice e secretarias, ou se separam e dão a vitória para o adversário direto.

Quem ficou em uma situação aparentemente confortável foi o PPS do vereador Juvenal Calixto e Lula Coser. O partido deve fechar mesmo com Luciano e pode abraçar uma vice. Entre os dois vereadores, o que tem mais chance de ser vice seria Lula Coser, que tem em seu irmão Derly Coser um padrinho forte e que já é aliado do grupo de Edinho.

Fora do meio político, alguns nomes também são citados e muitos acreditam que eles podem ser bons candidatos. Entre eles Gilberto da Universal, Dr. Antônio Calvão, Jonoel, Mateus do IDAF, Alair Costa, Dr. Mauly, Padre Edson, entre outros. Uma coisa todos eles têm em comum, não conseguem entrar na política senão por meio de algum dos partidos citados acima, ou seja, mesmo que o nome lançado seja um totalmente diferente dos que estamos acostumados a ver na política, ele terão laços fortes com algum grupo político antigo da cidade.

Nesse balaio de gato, o melhor para o povo francisquense fica cada vez mais longe de acontecer, que seria um candidato novo, independente dos grupos políticos tradicionais de Barra de São Francisco. Se o eleitor buscar na memória, esse foi o principal motivo que fez a maioria apostar em Waldeles na eleição passada, pois acreditavam que nascia ali a terceira força política da cidade, o que não foi confirmado.

Mesmo com essas possibilidades, um nome diferente, que ninguém ainda pensou ou falou, pode surgir como uma opção. Se olharmos para o passado, algumas vezes na política o prefeito surgiu assim “do nada” e de um dia para o outro caiu na graça do eleitor. Médico, comerciante, agricultor, professor, advogado, empresário… o nome do próximo prefeito de Barra de São Francisco pode estar ainda longe da imaginação de todos e talvez nem ele mesmo saiba que tem chance, cabe ao povo decidir, quem é a melhor opção para administrar essa cidade, que merece, pela população guerreira que tem, alguém que mude a história política, coloque as coisas no eixo e consiga o que poucos conseguiram até agora, fazer nossa cidade ocupar a posição que merece, tanto no estado quanto no Brasil, digo isso porque, amo Barra de São Francisco!