Lágrimas, desespero, fuga da imprensa, silêncio. Pedrinho

Corinthians fez de tudo para preservar o garoto de 21 anos. Ele chorou, tenso, se sentindo culpado pela eliminação do Corinthians. E foi mesmo

Pedrinho saiu por uma porta lateral no Itaquerão.

Não passou pela zona mista.

Não encarou os repórteres.

A ordem foi de Andrés Sanchez.

O presidente quis preservar o garoto de 21 anos, principal responsável pela eliminação precoce do Corinthians, da Libertadores de 2020, antes mesmo da fase de grupos.

Ele estava chorando muito nos vestiários.

Se sentia culpado pelo adeus à Libertadores.

E foi mesmo.

A boba expulsão aos 28 minutos do primeiro tempo sacrificou o time. Deu o controle emocional e tático ao Guaraní, que se aproveitou de ter um atleta a mais.

Os paraguaios perderam apenas por 2 a 1 e ficaram com a vaga.

Os jogadores do Corinthians sabiam que a expulsão de Pedrinho mudou todo o plano tático de Tiago Nunes.

Mas o treinador fez seu papel.

Preservou o jovem meia-atacante.

“Não tem nada de vilão, Pedrinho é um jogador muito importante para a nossa equipe. A primeira falta foi um acidente, foi bem na minha frente. A segunda ele nem enxerga, está de costas tentando a bicicleta, mas o adversário antecipa.

“Como vou culpar? Não tem como. Enquanto esteve em campo contribuiu muito. Tem todo o nosso carinho. Eu não fico passando responsabilidade, temos que lamber nossas feridas, saber o que precisamos melhorar.

“Que esse momento sirva de aprendizado.”

O discurso de Tiago Nunes reflete o desejo de toda diretoria.

Andrés tem fechada a venda de Pedrinho com o Benfica.

O atleta irá para Portugal no meio do ano.

Culpar o jogador publicamente pela eliminação da competição mais importante, e rentável, do ano seria péssimo também para Andrés Sanchez, que conduz a negociação.

Pedrinho seguirá no clube, por pelo menos, quatro ou até cinco meses.

Desvalorizá-lo, o culpando pela queda histórica, não acrescentará nada ao clube. Pelo contrário.

O Benfica se dispôs a pagar 20 milhões de euros, cerca de R$ 94,5 milhões. Só que o Corinthians foi obrigado a emprestar, e depois comprar o colombiano Yony González por 3 milhões de euros, R$ 14 milhões.

Fora os R$ 6 milhões que o empresário do jogador, Will Dantas, terá de comissão.

Pedrinho estava servindo a Seleção sub-23, que conseguiu vaga à Olimpíada.

O jogo contra o Guaraní foi sua estreia na temporada 2020, pelo Corinthians.

Ele estava entusiasmado.

Mas pagou caro pela ansiedade.

Pela inconsequência.

Agora, o Corinthians o protege.

Para não desgastar o meia-atacante do Benfica.

Mas todos sabem o que Pedrinho fez.

Por causa dele, adeus Libertadores 2020…

Fonte: R7