Diego Cigano foi morto com quatro tiros no balneário de Guriri

A Polícia Civil trata com cautela a investigação sobre o assassinato de Diego Cigano, ocorrido no final da tarde desta quinta-feira (16) no balneário de Guriri. A principal linha de investigação seria vingança, mas a princípio nenhuma informação é repassada à imprensa como forma de evitar atrapalhar a investigação que teve início ainda na noite do crime. A placa da moto que teria sido usada pelos criminosos também pode contribuir para desvendar o caso.

Diego Cigano foi assassinado com quatro tiros na Rua Espera Feliz, no Lado Norte do balneário e chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Roberto Silvares, mas já chegou sem vida, conforme foi constatado pelo médico plantonista Eduardo Gomes Nespoli.

Uma grande revolta de famílias de ciganos ocorreu no hospital logo que correu a informação do assassinato, o que gerou uma grande movimentação de policiais militares para evitar conflitos, principalmente devido à presença de uma pessoa no local que os ciganos apontavam como autora do crime, e a ameaçava de morte.

Devido ao assassinato de Diego foi preciso montar uma estratégia por parte da PM para evitar que pessoas inocentes viessem a ser molestadas, tamanha a revolta dos ciganos.

Parte da ocorrência lavrada pelos policiais diz que: “ao chegarmos no hospital nos deparamos com um pequeno aglomerado de aproximadamente 20 familiares da vítima, sendo uma família de ciganos, alterados e agressivos com o ocorrido e apontando o senhor l.C.B, mascate, como suspeito do crime, visto que compareceu ao hospital e estava falando no telefone celular enquanto aguardavam notícias da vítima, levando-os a imaginar que poderia ter deslocado ao hospital para confirmar se o cigano baleado havia morrido”.

 

Leia mais:  Bairro Liberdade: um sofrimento difícil de acabar em São Mateus

 

Fonte: fanoticias