Centro Prisional Feminino de Colatina desenvolve projeto que une história, arte e cultura

Cultura, folclore, arte e história serão trabalhadas de forma conjunta no Centro Prisional Feminino de Colatina (CPFCOL). Por meio do Projeto ‘Relicário’, as internas terão a oportunidade de participar de oficinas ministradas na própria unidade prisional por profissionais e parceiros com vasto conhecimento e experiência na área.

A diretora da unidade, Maria Aparecida de Freitas, possui formação em Direito e também em História e acredita no poder da transformação, por meio do conhecimento em história, cultura e arte.

“O nome Relicário resume toda a importância do Projeto: guardar e lembrar das coisas preciosas. Com a participação de estudiosos da nossa cultura popular, vamos unir história, cultura, arte e religiosidade, focando no folclore popular e na religiosidade. O objetivo é trabalhar a sensibilidade das internas que irão expressar em telas suas percepções” ressalta Maria Aparecida. 

Dando início às atividades do projeto, as internas participaram de uma palestra ministrada por Michel Dal Col. Ele, que é mestre em História Social das Relações Políticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), doutor em História Social pela Unirio e professor da rede de Educação do Espírito Santo, foi convidado pela direção do Centro Prisional Feminino de Colatina para explanar sobre o folclore e a religiosidade popular do Espírito Santo, especialmente sobre a história e a cultura das bandas de congo e suas festas no Espírito Santo. 

Na ocasião, as presas também participaram recitando poema e cantando músicas. Ao longo do projeto, as internas irão conhecer o folclore capixaba e brasileiro, associado à cultura e história. Junto a isso, irão produzir pintura em tela e orientações sobre artesanato e empreendedorismo.