Bombeiros alertam: Comidas e bebidas alcoólicas podem até matar ao entrar na água

Afogamentos depois que pessoas ingerem comida em churrascos à beira da praia ou rios tem sido comum e pode ser evitado. Comer e entrar na água pode até matar”. O alerta do Corpo de Bombeiros é apenas uma das precauções que devem ser adotadas nesta época do ano quando rios e praias ficam superlotados em função da estação do Verão.

Mas não apenas comer e entrar na água pode provocar afogamentos e até morte. Ingerir bebida alcoólica antes de entrar na água também é um primeiro passo para provocar afogamentos. As pessoas depois de tomar bebida em excesso acabam se encorajando para dar mergulho e braçadas no mar e pode se afogar.

O alerta para os cuidados nesta temporada de Verão é do major Sartório (foto), comandante do Corpo de Bombeiros de São Mateus que essa semana teve pela frente um caso de afogamento no Rio Cricaré, região do KM 41, em Nestor Gomes (Cachoeira do Cravo), onde morreu o garoto David de 4 anos – ele completou esta idade no dia de Natal do ano de 2019. Os pais, que moram em Nova Venécia estavam fazendo um churrasco em família quando aconteceu o afogamento no último domingo.

Pessoas que sofrem de epilepsia também não devem tomar banho em mar ou rios, segundo o Corpo de Bombeiros pois a probabilidade de sofrer uma crise e morrer por afogamento é enorme. “Uma lâmina d’água de 20 centímetros pode provocar a morte de um epiléptico”, destaca o major, lembrando que uma portadora desta doença deve sempre estar acompanhada ao entrar no mar ou rio.  

O Corpo de Bombeiros de São Mateus atende não apenas Guriri, como também Conceição da Barra e nesta época do ano atua ainda na orientação dos salva-vidas que são contratados pelas prefeituras. “Nossa função é capacitar estes profissionais, mas este ano estamos atuando também com 10 alunos-bombeiros que estão presentes também em Itaúnas”, disse o comandante.

Sartório revelou ainda que nesta temporada foram registrados mais de 150 casos de afogamentos em Guriri, mas apenas duas pessoas precisaram ser levadas para atendimento no Hospital Roberto Silvares, “mas não houve registro de óbito, o que reflete que a atuação dos guarda-vidas foi fundamental para o socorro às vítimas”.

Quanto aos cuidados para se evitar afogamentos são tomados pelo serviço de salva-vidas e do Corpo de Bombeiros, mas, segundo o comandante, as pessoas também têm que redobrar a atenção com crianças e até adultos que podem ser surpreendidas por pequenos buracos que se foram com as correntezas. “Esse é o grande perigo que levam as pessoas a se afogarem”, lembrou, concluindo que São Mateus hoje trabalha com 60 guarda-vidas e Conceição da Barra com 30. 

 

Leia mais:  Petrocity: Projeto de R$ 3,1 bi em porto vai abrir 2,5 mil vagas em São Mateus

Fonte: fanoticias