BNDES investe R$ 25 milhões para segurança de bens tombados pelo Iphan

Fachada do Museu Imperial em PetrópolisTomaz Silva/Agência Brasil


Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro

Nove propostas de projetos em edificações culturais tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vão receber apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para segurança patrimonial, no montante de R$ 25 milhões, em recursos não reembolsáveis. Segundo o anúncio foi feito nesta sexta-feira (10) pelo banco, os recursos serão aplicados em instituições localizadas nos estados do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e de São Paulo.

Foram selecionados em Minas Gerais os museus Mariano Procópio, em Juiz de Fora, e do Ouro, em Sabará; no Rio de Janeiro, o escritório de representação do Ministério das Relações Exteriores, mais conhecido como Palácio Itamaraty, os museus Nacional de Belas Artes e Histórico Nacional, o Centro Cultural Sítio Roberto Burle Marx e a Fundação Casa de Rui Barbosa; em Petrópolis, o Museu Imperial; e, em São Paulo, a Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Segundo o BNDES, o edital foi publicado em 29 de setembro de 2018, dentro de um conjunto de medidas tomadas pelo governo federal após o incêndio que destruiu, no dia 2 daquele mês, o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro.

As propostas apresentadas englobam a elaboração e implantação de projetos executivos de modernização de instalações elétricas e a implantação de sistemas de detecção, prevenção e combate a incêndio e pânico e de sistemas de proteção contra descargas atmosféricas ou raios.

Edição: Nádia Franco