Sistema capixaba e-SUS VS promete revolucionar informações na Saúde

Sistema capixaba e-SUS VS promete revolucionar informações na Saúde

Foto: Secom/ES

 

O e-SUS VS, um dos componentes do Projeto e-Saúde, é um sistema capixaba desenvolvido em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) que irá substituir o atual modelo utilizado no Estado, conhecido como Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde (MS).

O sistema está sendo ofertado ao MS para que seja divulgado a outros estados e trará, conforme lista o chefe de núcleo de Sistema de Informação em Saúde, Gustavo Teixeira, benefícios para além da integração entre as áreas da saúde, tais como a otimização de políticas públicas de saúde; a sensibilização dos profissionais de saúde quanto ao perfil epidemiológico de seu território; e a melhora na qualidade dos dados de informação.

“As notificações de agravo dentro desta nova plataforma, o e-SUS VS, permitirão que tenhamos acesso em tempo real das informações em saúde. O profissional da atenção primária poderá acionar a vigilância de forma imediata e intervir nas condições de saúde. Ajudará o Estado e os municípios a realizarem ações mais efetivas e rápidas”, explicou Gustavo Teixeira.

De acordo com a gerente da Vigilância em Saúde da Sesa, Kelly Areal, além da resposta rápida à notificação e a gestão mais direta entre a APS e a vigilância, o sistema também dará condições para compreender como o “território de saúde se comporta”.

“Com o novo sistema, conseguiremos fazer uma gestão e um trabalho mais direto entre a vigilância. Com o sistema anterior, mais fechado, essa resposta demorava, já com e-SUS, conseguiremos saber como estão as notificações daquela região e saber como o território se comporta”, disse a gerente de vigilância da Sesa.

Capacitações acontecem em todo Estado

As capacitações e treinamentos aos municípios e regionais de saúde tiveram início em agosto e 75 municípios participaram, abrangendo 860 profissionais da vigilância em saúde, da APS e áreas técnica. As demais capacitações acontecerão ao longo desta semana.

Segundo Kelly Areal, as ações serão continuas. “É um trabalho continuo, até virar rotina. Não será somente a Atenção Primária ou a Vigilância, mas precisamos capacitar todo o serviço. É mais um trabalho de divulgação também, além da capacitação”, explicou.

O cronograma de implantação segue também na segunda quinzena de dezembro, quando será iniciada a descentralização da ferramenta com capacitações das fontes notificadoras de agravos/doenças, como hospitais, Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Unidades Básicas, laboratórios e entes privados e filantrópicos da saúde.