Servidores da Sejus comemoram entrega do Prêmio Humaniza 2019

Foto: Hélio Filho/Secom

O Salão São Tiago, no Palácio Anchieta, em Vitória, recebeu, na noite desta terça-feira (17), a cerimônia do Prêmio Humaniza 2019. Em clima de festa, foram revelados os ganhadores da premiação em três categorias. Realizado pela Secretaria de Justiça (Sejus), o Prêmio reconhece os servidores que trabalham para transformar e humanizar o sistema prisional capixaba. Nesta edição, 67 inscrições foram realizadas, contando com 40 semifinalistas.

Os candidatos são escolhidos após análise criteriosa da banca julgadora, composta por pesquisadores e especialistas que têm reconhecida atuação no campo das políticas prisionais,  nas áreas de políticas públicas e sociais e de gestão.

Na categoria Atitude Humanizadora, o primeiro lugar ficou com a servidora Glécia Pereira da Silva, do Centro Prisional Feminino de Colatina (CPFCOL). Na categoria Gestão Humanizadora, o ganhador foi o Centro de Detenção Ressocialização de Linhares (CDRL) e o primeiro lugar na categoria Projeto Humanizador ficou com a “Fábrica de Sonhos”, desenvolvido na Penitenciária Agrícola do Espírito Santo (Paes).

O Prêmio Humaniza é dedicado aos servidores da Sejus que são reconhecidos por seus esforços individuais e coletivos em promover e qualificar o trabalho no âmbito dos direitos humanos, com foco na dignidade e respeito.

Premiação

O governador Renato Casagrande prestigiou a cerimônia de entrega do Prêmio Humaniza 2019. Ele celebrou a iniciativa dos servidores homenageados em promover iniciativas produzem esperança e gera oportunidades a quem está em privação de liberdade. “Se na sociedade manter um ambiente de equilíbrio e harmonia já é difícil, existe uma dificuldade em manter esse equilíbrio com quem está em cárcere. Como gerar esperança no coração dessas pessoas? É importante estarmos premiando nossos servidores. Vocês fazem a diferença. Vocês estão plantando uma esperança no coração de quem necessita”, disse.

Casagrande também ressaltou os resultados das políticas públicas do Governo do Estado na redução do numero de detentos no sistema prisional. Ele afirmou ser possível prender menos e também diminuir o número de crimes.

“Tivemos bons resultados no sistema prisional neste ano. Um dos pontos de maior tensionamento que temos é a quantidade de pessoas que estão no sistema prisional. Desde 2014 temos um numero fixo de vaga, mas o número de pessoas que entram chega a 1500 ou até mais por ano. Chegamos a ter dez mil detentos a mais do que a quantidade de vagas em nosso sistema prisional. Chegar ao fim do ano e ver que o índice de crescimento da população carcerária caiu muito, ao mesmo tempo em que estamos reduzindo homicídios. Mostramos que é possível prender menos e reduzir a criminalidade, qualificando as prisões”, apontou o governador.

O evento contou ainda com a participação do secretário de Estado da Justiça, Luiz Carlos Cruz, e de servidores das unidades prisionais e das áreas administrativas. A Banda da Sejus, formada por inspetores penitenciários, abrilhantou o evento com músicas que falam de transformação, tempos melhores e perseverança, como “Amor pra recomeçar”, de Frejat; “Daqui só se leva o amor”, de Jota Quest; “Viva a vida”, de Felipe Duran; “Nunca desista”, Munhoz e Mariano, entre outras.

Em seu discurso, o secretário Luiz Carlos Cruz enfatizou o empenho dos servidores penitenciários para a gestão de um sistema cada vez mais humano. “A entrega do Prêmio Humaniza representa o esforço constante de cada servidor aqui representado em contribuir com um sistema cada vez mais justo e humano. A missão dos servidores da Sejus é muito nobre. São vocês que atuam em várias frentes para oferecer um tratamento digno ao apenado e, com isso, proporcionar mais segurança à sociedade, agindo de forma ética, com disciplina, estratégia, mas, acima de tudo, promovendo cada ação com valor humano. Essa é uma grande missão”, destacou.

A presidente da Coordenação Executiva do Prêmio Humaniza 2019, Maria Jovelina Debona, ressaltou a qualidade dos projetos apresentados a cada ano. “O Prêmio Humaniza é um reconhecimento para as boas práticas realizadas no sistema prisional. A cada ano, vemos a dedicação e qualidade das iniciativas apresentadas. São ações que dão brilho ao servidor penitenciário e estimulam a reintegração das pessoas privadas de liberdade com uma gestão mais humana e inovadora”, lembrou.

Entrega ao governador

Durante a cerimônia do Humaniza, o governador recebeu de presente artesanatos desenvolvidos por internos nas unidades prisionais do Estado. Entre eles, dois bonecos feitos em crochê, com a caricatura de Casagrande. O artesanato foi desenvolvido pelos internos Delduquer José do Nascimento e Emerson Saidler, da Penitenciária de Segurança Média I (PMSE I), no Projeto Reabilitarte.

O interno Francione Salvador, da Penitenciária Estadual de Vila Velha I (PEVV I), entregou ao governador uma tela, pintada por ele, com a imagem do Palácio Anchieta. A arte foi confeccionada no Projeto Despertando a Imaginação.

Vencedores

A servidora Glécia Pereira da Silva, do Centro Prisional Feminino de Colatina, conquistou o primeiro lugar na categoria Atitude Humanizadora. Ela, que atua no Projeto Oficinas de Vidas, também realiza as escoltas da unidade prisional, sendo a responsável pelos encaminhamentos de internas a atendimentos externos. O trabalho, desempenhando com postura, ética e disciplina garantiu a ela a primeira colocação no Prêmio.

Para ela, a premiação é um reconhecimento aos 17 anos de dedicação ao sistema. “Faço meu trabalho de coração. Nós tratamos todas elas como seres humanos e tentamos incentivá-las a buscarem um novo caminho. Na nossa unidade, a direção cria espaço para os servidores e oportunidades para os internos”, afirmou Glécia da Silva.

O Centro de Detenção e Ressocialização de Linhares foi o primeiro colocado na categoria Gestão Humanizadora. O diretor da unidade, Nelson Merçon, destacou que incentiva o desenvolvimento de projetos na unidade para a valorização dos reeducandos e de sua equipe. Na unidade, internos participam de projetos, oficinas, com vários espaços de trabalho e de multiplicação de conhecimento que contribuem para a retomada de vida dos apenados. O destaque fica por conta da Radio Vox que além de entretenimento, leva conhecimento e minimiza a tensão no ambiente penal.

Além disso, os servidores da unidade contam com espaço de terapias, barbearia, salão, centro de treinamento, dentre outras ações, que dignificam o trabalho do inspetor penitenciário e dos demais servidores, humanizando o ambiente. Quanto aos familiares e à sociedade em geral, o tratamento dispensado a eles e a abertura dada pela gestão resultam uma parceria que tem dado muitos frutos.

“Temos na unidade uma rádio, cuja programação é feita por reeducandos e para reeducandos com assuntos que interessam a eles. Esse projeto, inclusive, foi premiado nesta solenidade. Os desafios são muitos, mas trabalhamos juntos e recebo esse prêmio em nome da equipe por toda a dedicação deles em avançar e aprimorar a nossa unidade”, comentou Merçon.

A iniciativa Fábrica de Sonhos, da Penitenciária Agrícola do Espírito Santo, foi a vencedora na categoria Projeto Humanizador. Desenvolvido desde outubro de 2016, o projeto tem como uma de suas finalidades a de proporcionar a reinserção gradativa do reeducando ao convívio social por meio de seu trabalho e qualificação profissional. A reflexão para práticas humanizadoras através da confecção e entrega de brinquedos e produtos nas instituições para crianças, bem como a reparação de lapsos junto à sociedade civil na busca do respeito, solidariedade, ética e moral.

“Recebemos o primeiro lugar com muita satisfação. Acreditamos que projetos como este e os demais desenvolvidos na unidade podem transformar pessoas. Tudo que fazemos é com dedicação e amor, que se reproduz em gesto de solidariedade”, celebrou Leizielle Marçal, diretora da Paes.

FINALISTAS

CATEGORIA ATITUDE HUMANIZADORA:

EM 1º LUGAR:

GLÉCIA PEREIRA DA SILVA – Centro Prisional Feminino de Colatina

 

EM 2º LUGAR:

WALLACE FERREIRA DE OLIVEIRA – Centro de Detenção Provisória de Cachoeiro de Itapemirim

 

EM 3º LUGAR:

JOSÉ PAULO NASCIMENTO – Penitenciária de Segurança Média I

 

CATEGORIA PROJETO HUMANIZADOR:

EM 1º LUGAR:

FÁBRICA DE SONHOS – Penitenciária Agrícola do Espírito Santo

 

EM 2º LUGAR:

RÁDIO VOX – Centro de Detenção e Ressocialização de Linhares

 

EM 3º LUGAR:

COLHENDO BONS FRUTOS – Penitenciária Semiaberta de Vila Velha

 

CATEGORIA GESTÃO HUMANIZADORA

EM 1º LUGAR:

CENTRO DE DETENÇÃO E RESSOCIALIZAÇÃO DE LINHARES

 

EM 2º LUGAR:

PENITENCIÁRIA REGIONAL DE LINHARES

 

EM 3º LUGAR:

CENTRO PRISIONAL FEMININO DE COLATINA

 

MENÇÃO HONROSA:

CENTRO PRISIONAL FEMININO DE CARIACICA

PENITENCIÁRIA DE SEGURANÇA MÉDIA 1

CENTRO DE DETENÇÃO E RESSOCIALIZAÇÃO DE LINHARES.

QUEILA ROSA DE SOUZA MERCÊS – PENITENCIÁRIA REGIONAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

FRANK MULLER NASCIMENTO LOYOLA – PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE VILA VELHA III

PROJETO DA GESTAÇÃO PARA A VIDA – Centro Prisional Feminino de Cariacica

CENTRO DE TREINAMENTO PRL – Penitenciária Regional de Linhares

DIONISIO CARVALHO