Servidoras do Escritório Social capacitadas para atendimento à pessoa surda

Para atuar de forma ainda mais inclusiva, durante todo o mês de dezembro, servidoras que atuam no Escritório Social da Secretaria da Justiça (Sejus) participaram do curso Introdução à Língua Brasileira de Sinais (Libras) promovido pela Escola de Serviço Público do Espírito Santo (Esesp). O objetivo é melhorar a comunicação direcionada aos egressos e seus familiares que tenham deficiência auditiva ou surdez.

O Escritório Social reúne atendimentos e serviços diversos (saúde, qualificação, encaminhamento profissional e atendimento psicossocial) que são ofertados aos egressos por meio de parcerias com entidades públicas e privadas.

O curso é conduzido pelos docentes Flávio Eduardo Rodrigues e Lucas Dias. Durante os módulos apresentados as servidoras puderam conhecer e utilizar cumprimentos básicos direcionados à pessoa surda, além do conceito histórico das libras. A servidora do Escritório Social, que faz parte da Gerência de Reintegração Social e Cidadania, Karina Ramos Rodrigues, afirma que a capacitação superou as expectativas e já demonstra bons resultados na prática.

“Já enfrentamos algumas dificuldades de comunicação durante o atendimento prestado às pessoas surdas. Por isso, procuramos a capacitação para ofertar um serviço com qualidade e ainda mais inclusivo. O resultado tem sido muito satisfatório. Ainda vamos concluir o terceiro módulo do curso, mas já conseguimos nos comunicar e identificar de forma mais fácil as necessidades do nosso público”, explica.

Para a subsecretária de Ressocialização da Sejus, Roberta Ferraz, a iniciativa das técnicas da Gerência de Reintegração Social e Cidadania merece destaque por demonstrar a preocupação com as pessoas surdas que necessitam do serviço ofertado no Escritório Social para resgatar sua cidadania.

“Saber Libras não é um requisito obrigatório e, ao identificar essa demanda, as servidoras buscaram alternativas junto à Esesp para suprir essa necessidade. São ações que fazem toda a diferença na inclusão e reflete o real papel do Escritório Social em oferecer, acima de tudo, resgate da cidadania”, ressalta.

A capacitação contou com a participação de servidores de diversas áreas.