Mercosul, Pátria Voluntária, crescimento do PIB são alguns dos destaques da semana

Mercosul, Pátria Voluntária, crescimento do PIB são alguns dos destaques da semana

Lançamento Campanha Pátria Voluntária
Foto: PR

A semana de 02 a 06 de dezembro teve a 55 ª Reunião de Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, em Bento Gonçalves (RS); anúncio de recursos para saneamento básico na área rural; habilitação de 66 novos serviços para pessoas com deficiência no SUS; divulgação pelo IBGE do PIB no terceiro trimestre deste ano; e o lançamento da Campanha Pátria Voluntária. Confira a seguir esses destaques.

 

Campanha Pátria Voluntária: A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República lançou, nessa segunda-feira (02), a Campanha Pátria Voluntária. Com o conceito “Fazer o Bem é Pra Você Também”, as metas são incentivar a solidariedade junto à população e divulgar o Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado. Lançado em julho, o programa é presidido pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, reúne 24 integrantes [12 ministros e 12 representantes da sociedade civil] e tem como objetivo fortalecer ações voluntárias de organizações não governamentais, além de ampliar o número de voluntários no Brasil, construindo uma rede nacional de apoio ao próximo. A campanha vai até 20 de dezembro.

PIB – 3˚ trimestre 2019: Segundo o IBGE, o PIB (conjunto de bens, serviços e riquezas produzidos pelo país) cresceu 0,6% no terceiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi ainda maior, de 1,2%. No terceiro trimestre de 2019 a maior alta foi da agropecuária, com elevação de 1,3%, vindo logo depois a indústria, que registrou alta de 0,8%, e o setor de serviços, com aumento de 0,4%. Em valores correntes, o PIB alcançou no terceiro trimestre deste ano R$ 1.842 trilhão.

Programa Saneamento Rural Brasil Sustentável: Na terça-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro participou, no Palácio do Planalto, do lançamento do Programa Saneamento Rural Brasil Sustentável. A meta é em 20 anos, levar água encanada e esgotamento sanitário para 25 milhões de domicílios na área rural do país, beneficiando cerca de 40 milhões de pessoas (39.73 milhões de habitantes). Os investimentos previstos no período superam R$ 218 bilhões (R$ 218.94 bilhões). O programa vai ser coordenado pela Funasa, Fundação Nacional de Saúde) e tem 3 eixos: gestão dos serviços; educação e participação social; e tecnologia.

Habilitação de serviços no SUS: O ministério da Saúde anunciou a habilitação de 66 novos serviços de ortopedia e odontologia para pessoas com deficiência no país. Esses serviços vão ser incorporados ao Sistema Único de Saúde e contarão com R$ 70,1 milhões de reais em investimentos por ano. A expectativa é de que o número de beneficiados supere 1 milhão de pessoas com deficiência. Serão 20 centros especializados em reabilitação; oito centros especializados para pacientes com doenças raras; sete oficinas ortopédicas e 31 centros odontológicos, sendo que 14 deles vão integrar à Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência, o que permite que recebam 20% a mais de recursos para custeio por mês.

Presidente Bolsonaro transfere presidência pro tempore do bloco para o Paragua. Foto: PR

55˚ Reunião de Cúpula do Mercosul: Foi realizada em Bento Gonçalves (RS), na quinta-feira (05), a 55 ª Reunião de Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados. O Brasil transferiu a presidência temporária, que ficou a cargo do país no segundo semestre de 2019, ao Paraguai, que estará à frente do bloco pelos próximos seis meses. Seis atos foram assinados no término da cúpula, incluindo acordos que envolvem a cooperação policial e o uso de serviços públicos na região de fronteira. O presidente Bolsonaro defendeu a abertura comercial do Mercosul ao mundo, a democracia na região e uma estrutura mais enxuta e racional do bloco. “Não podemos perder tempo: precisamos levar adiante as reformas que estão dando vitalidade ao Mercosul, sem aceitar retrocessos ideológicos. E completou. “Temos que seguir avançando igualmente na direção de um Mercosul mais enxuto e eficiente, em sintonia com a racionalização do Estado que levamos adiante no plano interno”.