Dono de supermercados é suspeito de montar esquema para sonegar impostos no ES

Ele é suspeito de colocar terceiros à frente de empresas, os chamados “laranjas”, para não recolher mais de R$ 22 milhões em impostos.

O dono de uma rede de supermercado foi alvo de uma operação do Ministério Público Estadual (MPES) e da Polícia Militar nesta segunda-feira (2), na Grande Vitória. Ele é suspeito de colocar terceiros à frente de empresas, os chamados “laranjas”, para não recolher mais de R$ 22 milhões em impostos. A gerência geral da rede informou que, apesar da ação, todos os estabelecimentos estão abertos normalmente.

De acordo com as investigações, o empresário usava os “laranjas” para constituir empresas há anos. Como parte do esquema, quando as empresas acumulam dívidas que inviabilizam o funcionamento, são abandonadas, sendo sucedidas por outras, que assumem as operações, os clientes, os pontos comerciais e, até mesmo o nome comercial.

Segundo o Ministério público, essa prática tem por objetivo principal lesar credores (em especial o Fisco), porque as empresas estão constituídas em nome de “laranjas”, que não têm patrimônio para suportar as elevadas dívidas contraídas.

Também há indícios de que essas empresas sejam utilizadas para “lavagem de dinheiro”, de forma que os recursos fruto de sonegação fiscal se misturam aos valores lícitos da atividade comercial, sendo depois integrados ao patrimônio do empresário.

Outro forte indicativo de ocultação patrimonial dolosa, com a finalidade de fraudar credores e “branquear capitais” provenientes de crimes, é a existência de veículos de luxo registrados em nome das empresas e utilizados pelo empresário e seus familiares, segundo o MPES.

Mandados de busca e apreensão são cumpridos na Grande Vitória — Foto: Divulgação/MPES

Mandados de busca e apreensão são cumpridos na Grande Vitória — Foto: Divulgação/MPES

Operação

Estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Juízo da 2ª Vara Criminal de Cariacica, nas sedes das empresas utilizadas para a prática de crimes e nas residências do empresário e dos “laranjas” investigados, com o objetivo de colher elementos.

Também foi deferido judicialmente o sequestro de 15 veículos, sendo quatro de alto padrão, e de 23 imóveis, com o objetivo de assegurar a reparação de ao menos parte dos danos causados ao erário público estadual, já que o prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 22.952.430,97.

Supermercado

O gerente geral da rede Schowambach, João Batista Pupim, confirmou que a ação realmente aconteceu nas três lojas do grupo e na casa do proprietário, em Vitória. Foram recolhidos documentos e celulares. As lojas continuam em funcionamento apesar da operação.

Mandados de busca e apreensão são cumpridos na Grande Vitória — Foto: Divulgação/MPES

Mandados de busca e apreensão são cumpridos na Grande Vitória — Foto: Divulgação/MPES