Diretores de faculdades presos na Operação “Pontas Soltas” continuam na prisão

Ao todo 7 pessoas foram presas na Operação Pontas Soltas, deflagrada na última terça-feira (26) pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES), através de agentes do Gaeco. A operação investiga a emissão de diplomas de graduação e certificados de pós-graduação de forma fraudulenta em diversas cidades do Estado. Todos os envolvidos continuam presos por tempo indeterminado, informou o Ministério Público, um dos investigados, é diretor de uma faculdade e não foi localizado no dia da operação, ele já é considerado foragido.

Entre os presos, estão duas diretoras e uma funcionária de uma faculdade de São Gabriel da Palha, duas pessoas foram presas em Cariacica, uma em Vitória e uma em Guaçuí. Elas são investigadas por envolvimento na emissão de diplomas sem que os alunos frequentem efetivamente as aulas. Mandados de busca e apreensão também foram cumpridos nos municípios de Fundão, São Mateus e Serra.

A identificação dos presos na operação ainda não foi divulgada, já que o processo tramita em segredo de Justiça; “Todos os envolvidos que foram investigados e presos nesta manhã estão vinculados a faculdades e institutos ou intermediando alunos para, de forma fraudulenta, conseguirem diplomas, tanto de pós como de graduação”, explicou o promotor de Justiça Adriani Ozório Nascimento.

AS FASES DA INVESTIGAÇÃO

O Gaeco chegou aos alvos da operação após acordos de colaboração premiada envolvendo investigados nas fases anteriores da Operação Mestre Oculto. Durante a primeira fase, deflagrada em 25 de julho de 2018, segundo o Ministério Público, ficou claro que os “institutos” investigados de Linhares e Rio Bananal atuavam como intermediários junto às faculdades certificadoras. Na segunda fase, a investigação alcançou um patamar superior do esquema, atingindo o topo da organização criminosa, de acordo com as apurações feitas até o momento.

Ao longo das investigações foram deflagradas mais três fases, que confirmaram a existência de ramificações da organização criminosa em outros pontos do Estado do Espírito Santo: A Operação Estória, deflagrada em 13 de novembro de 2018; Operação Viúva Negra, deflagrada em 10 de dezembro de 2018; e Operação Latu Sensu, deflagrada em 11 de abril deste ano.

A Operação Pontas Soltas, é a sexta fase da Mestre Oculto, tem como objeto desarticular um amplo esquema criminoso responsável pelo “comércio” de diplomas e certificados utilizados especialmente na busca pela nomeação em cargos públicos. Esta etapa da operação recebeu o nome de “Pontas Soltas”, devido aos novos núcleos de atuação da organização criminosa que foram identificados ao longo das investigações.