Trio é preso menos de 12 horas após homicídio, em Montanha

Dois suspeitos de um homicídio em Montanha foram presos, em flagrante, horas após o crime.

Gustavo Braga Dias dos Santos, de 23 anos, Felipe Souza Caldeira, o “Felipe Bolinha”, 25, e Igor Sandro Santos da Silva, 23, confessaram ter matado  Cassiano Pereira de Souza, 24 por uma dívida de R$ 8 mil.

O caso e as prisões aconteceram na última quinta-feira (21). De acordo com o titular da Delegacia de Polícia de Montanha, Leonardo Ávila, Gustavo Santos e Felipe Caldeira se dirigiram até a casa da vítima pela manhã, na intenção de matá-la.

“Os dois suspeitos chamaram por Cassiano no portão. Quando a vítima atendeu, foi executada com três tiros disparados por Felipe e fogem logo em seguida. Felipe corre para casa do Igor e pede para que ele esconda a arma para ele, um revólver calibre 38”, explicou Ávila.

As diligências em campo foram coordenadas pelo comandante da 4ª Companhia do 2° Batalhão da Polícia Militar de Montanha, o primeiro-tenente André Luiz Lima Brito.

“Após um trabalho de inteligência da nossa equipe foi possível identificar os autores do crime, bem como as localizações dos indivíduos. Gustavo confessou o crime durante a prisão e informou que o atirador teria sido Felipe, e que este havia pedido a um terceiro (Igor) para esconder a arma. A arma do crime foi localizada com o suspeito em seu local de trabalho, dentro de sua mochila. Já Felipe foi detido no fundo da residência de sua avó em um cômodo trancado”, explicou o militar.

O delegado relatou que, durante a prisão de Gustavo Santos, foram encontradas duas armas – um revólver calibre 22 e uma réplica de pistola calibre 45. Elas estavam enterradas no fundo do quintal da residência do suspeito. Em depoimento, os suspeitos afirmaram que a motivação do crime foi uma dívida de R$ 8 mil em drogas.

Felipe Souza Caldeira e Gustavo Braga Dias dos Santos foram autuados em flagrante pelos crimes de homicídio e porte ilegal de arma de fogo. Já Igor Sandro Santos da Silva foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e favorecimento pessoal. Eles foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória de São Mateus.