Fragmentos de óleo são encontrados próximos à região da Guaxindiba, no Parque Estadual de Itaúnas

As manchas de óleo que atingem as praias do Nordeste desde o dia 30 de agosto chegaram na noite desse domingo (10), em pequena quantidade, ao Parque Estadual de Itaúnas (PEI). A maior concentração do óleo está na região sul, próxima à região conhecida como Guaxindiba, que fica perto da foz do rio Itaúnas.

“A primeira providência que tomamos foi comunicar ao gabinete de crise e órgãos responsáveis como Marinha, Ibama e Prefeitura de Conceição da Barra, além do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). Nesta segunda-feira foi realizado um novo monitoramento, aproveitando as condições da maré baixa, o que permitiu o deslocamento da equipe até o local onde os resíduos se acomodaram”, explicou o gestor do Parque Estadual de Itaúnas, Tarciley Gonçalves de São José.

Ele informou que a equipe do PEI fez a varredura atrás de vestígios na praia de Itaúnas, onde nada foi constatado. Uma outra equipe de monitoramento, comandada pela Marinha, foi deslocada para a região sul do Parque.

O monitoramento da praia de Itaúnas está sendo feito com uso de um quadriciclo e a limpeza está sendo realizada por funcionários do PEI. Já na região da Guaxindiba, nove oficiais da Marinha e dois funcionários do Parque atuam no monitoramento e limpeza.

“Nossa logística envolve quadriciclo e barco a motor pelo rio até a foz”, reforçou o gestor. A Prefeitura de Conceição da Barra também participa da operação.

A chegada das manchas de óleo ao PEI, a princípio, não afeta o funcionamento do parque. “O Centro de Visitantes continua aberto e as trilhas continuam acessíveis, assim como a praia. As atividades administrativas de rotina do PEI, no entanto, estão em suspenso, porque a equipe encontra-se voltada prioritariamente às ações de monitoramento e controle da mancha de óleo”, informou Tarciley.