‘Covardia’, diz Sindicato dos Trabalhadores dos Correios sobre ação de policiais civis com carteiro

Policiais civis participavam de ato pela valorização salarial, na Reta da Penha. Segundo associações, o funcionários dos Correios tentou atropelá-los, mas ele negou.

 

Por André Falcão, G1 ES e TV Gazeta

 

Confusão entre policiais civis e funcionário dos Correios em Vitória — Foto: VC no ES1

Confusão entre policiais civis e funcionário dos Correios em Vitória

Depois da confusão entre policiais civis e um entregador dos Correios durante uma manifestação da categoria dos policiais, na manhã de segunda-feira (25), o Sindicato Trabalhadores dos Correios e Telégrafos do Espírito Santo (Sintect-ES) lamentou a agressão e disse que foi um ato de covardia.

Em um vídeo que foi divulgado nesta segunda-feira (25), após a manifestação de policiais civis em Vitória pela valorização salarial e contra a reforma da previdência, é possível ver um homem e uma mulher discutindo agressivamente com um funcionário dos Correios, que tentava seguir pela via interditada pelo grupo.

A Polícia Civil confirmou que o homem e a mulher são policiais. Assista ao vídeo:

Além do vídeo, um áudio gravado após a repercussão da filmagem e atribuído a investigadora da Polícia Civil envolvida na confusão.

Nele, a policial continua ameaçando o trabalhador dos Correios e afirma que a reação dela foi pouca: “deveria ter dado um tiro no meio da cara dele”. Ouça:

Procurada pela reportagem da TV Gazeta, a investigadora nega que tenha gravado o áudio e que não estava armada na manifestação.

“O teor é absurdo, falar até que estava com vontade de dar um tiro na cara do trabalhador. Está tudo registrado e em todo momento ele [o trabalhador] é tranquilo, calmo, cordial, não afronta ninguém, mas em contrapartida vem uma raiva descontrolada. Isso é um absurdo”, opinou o diretor do Sintect-ES, Antônio Braga.

Polícia Civil

Em nota, a Polícia Civil confirmou que as pessoas que aparecem nas imagens são policiais civis e que todas as providências cabíveis serão adotadas pela Corregedoria.

“A PCES destaca que não compactua com desvios de conduta e ressalta que atitudes como as apresentadas nas imagens não refletem o treinamento oferecido aos policiais que ingressam na academia”, diz a nota.

Entidades

As entidades de policiais civis disseram que enviaram aos Correios um documento pedindo que o órgão tome providências em relação à conduta do funcionário. Segundo o documento, o motociclista quase atropelou policiais civis que estavam na manifestação. O documento é assinado pelo Sindepes, Adepol, Assinpol e Sinpol.

As associações também informaram que procuraram a Delegacia de Delitos de Trânsito, pois disseram que o carteiro tentou atropelá-los.

“Pedimos a todos que repudiem tal situação que desnecessariamente gerou risco aos policiais envolvidos , que estavam no exercício pacífico de manifestação”, diz a nota.

Trabalhador dos Correios

O entregador disse que não tentou atropelar ninguém. Ele trabalha nos Correios há sete anos e disse que os policiais chegaram a dar voz de prisão para o motoboy que filmou toda a confusão.

O entregador dos Correios explicou que não vai registrar uma ocorrência por que está com medo dos policiais civis. Ele também disse que vai pedir transferência para o interior do Estado.

“O trabalhador está assustado, com medo mesmo, e nós esperamos que esse caso seja apurado e que a verdade seja dita e buscada. Não podemos acreditar que isso aconteça com outras pessoas”, disse o diretor da Sintect-ES.

Sintect-ES

Em uma publicação no site da entidade, o sindicato disse que as entidades SINDEPES, ADEPOL, ASSINPOL e SINPOL estão distorcendo o que foi registrado em imagens.

“O SINTECT-ES tomará as medidas cabíveis para resguardar o trabalhador vítima de agressões, calúnia e exposição. Além disso, o sindicato também reitera o pedido para que a Secretaria Estadual de Segurança Pública e a Corregedoria da Polícia Civil do Espírito Santo atuem de maneira transparente e imparcial na apuração do caso”, informou na nota.

Federação

A Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios lamentou o que aconteceu. Disse que o vídeo é claro e mostra “o descontrole dos agressores e a violência com a qual o carteiro foi tratado”.

Correios

Em nota, a assessoria disse que os Correios estão analisando o caso.