Chegada de fragmentos de óleo a praias do ES preocupa comerciantes

Fragmentos de óleo já chegaram a quatro praias capixabas, mas, por enquanto, em apenas uma houve confirmação de que substância é a mesma que atingiu o Nordeste.

Por Eduardo Dias, G1 ES e TV Gazeta

Militares do Exército limparam a Praia de Pontal do Ipiranga neste domingo (10) — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Militares do Exército limparam a Praia de Pontal do Ipiranga neste domingo (10) — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

A chegada de fragmentos de óleo às praias do Norte do Espírito Santo já preocupa os comerciantes que atuam no litoral. Até este domingo (10), foi confirmada a presença do mesmo óleo que contaminou o Nordeste em uma praia capixaba. Em outras três, a substância encontrada ainda vai passar por análise. Embora o Governo do Estado e o Ibama tenham dito que as praias continuam próprias para banho, os ambulantes temem a queda das vendas nos próximos dias.

  • Manchas de óleo no Nordeste: o que se sabe sobre o problema

“A gente precisa daqui para trabalhar. O verão está chegando e o único meio de a gente ter uma renda é aqui na praia. Se isso [chegada do óleo] acontecer aqui, vamos ficar sem trabalho”, disse a vendedora de empadas Edna Oliveira Coutinho.

Vendedora de empadas teme queda de vendas na praia, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Vendedora de empadas teme queda de vendas na praia, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Ela atua em Pontal do Ipiranga, em Linhares, onde foram recolhidos fragmentos de óleo neste domingo (10). Assim como o material encontrado também em Barra Nova e Urussuquara, em São Mateus, a substância recolhida vai passar por análises.

Já os resíduos encontrados na Praia de Guriri já foram analisados e houve a confirmação de que se trata do mesmo óleo que atingiu as praias do Nordeste.

“Ficamos assustados, porque estamos acostumados a chegar aqui e ver a praia cheia. E hoje tinha pouca gente, o pessoal estava voltando para casa. Se continuar assim, vai ficar ruim para a gente, para ganhar dinheiro. Vai ser muito difícil para nós”, lamentou Antônio Carlos Rodrigues Mota, vendedor de picolé em Pontal do Ipiranga.

Chegada de fragmentos de óleo deixa vendedor de picolé preocupado, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Chegada de fragmentos de óleo deixa vendedor de picolé preocupado, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Foz de rio é fechada

A Foz do Rio Mariricu, em São Mateus, no Norte do Espírito Santo, foi fechada por funcionários da prefeitura na tarde deste sábado (9), após autorização do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema).

O trabalho é uma prevenção, pois foram encontrados fragmentos que possivelmente são do óleo na água e também na Praia de Barra Nova, onde o rio deságua.

Foz do Rio Mariricu, em São Mateus, foi fechada para tentar impedir contaminação de óleo — Foto: Eduardo Dias/TV Gazeta

Foz do Rio Mariricu, em São Mateus, foi fechada para tentar impedir contaminação de óleo — Foto: Eduardo Dias/TV Gazeta

Governador do ES: ‘Não sabemos a dimensão do problema’

O governador Renato Casagrande concedeu coletiva de imprensa neste domingo (10) para falar sobre a situação do óleo no Espírito Santo. Ele garantiu que o Estado está empenhado e preparado para o caso de quantidades maiores do óleo chegarem ao litoral.

“Esse óleo chegou de forma mais amena quando comparado com outras regiões do Nordeste. Nós nos preparamos com todos os órgãos do Governo Federal, Estadual, Municipal, empresas, sociedade, e estamos retirando óleo do mar, trabalhando de forma planejada. Isso diminui o impacto”, disse.

Casagrande também disse que, apesar da chegada do óleo, a balneabilidade das praias não foi alterada e, por enquanto, não há nenhuma restrição quanto ao uso delas. “Até agora, não tem nenhuma influência no uso das praias”, disse.

O governador ainda declarou que a prioridade é proteger o meio ambiente e, consequentemente, garantir que o turismo do litoral capixaba não seja afetado.

“Nossa primeira preocupação é com meio ambiente. Nós não sabemos a dimensão dos problemas causados. Aquilo que a gente vê, a gente está tirando. O óleo que fica na lâmina d’água superficial. Mas não sabemos ainda o impacto desse óleo embaixo da linha da água. Então nossa primeira preocupação é com a proteção dos estuários, manguezais, das foz de rios. Segunda preocupação é que agente possa transmitir segurança aos moradores e turistas”, disse.

Fragmentos de óleo são recolhidos para análise em Praia de Ponta do Ipiranga, Linhares — Foto: Eduardo Dias / TV Gazeta

Fragmentos de óleo são recolhidos para análise em Praia de Ponta do Ipiranga, Linhares — Foto: Eduardo Dias / TV Gazeta

Manchas de óleo

As manchas de petróleo em praias do Nordeste começaram a aparecer no dia 30 de agosto, na Paraíba. A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas.

O Espírito Santo é o 10º estado brasileiro a ser atingido pelo óleo. Já foram afetados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.