Amigos são mortos após participarem de baile funk clandestino em Vitória

‘Baile do Mandela’ acontecia no Morro do Jaburu, mas os corpos só foram encontrados no bairro Joana D’Arc. Uma das vítimas tinha 16 anos e o corpo foi reconhecido pela mãe.

Dois jovens, sendo um adolescente de 16 anos, foram mortos na madrugada deste sábado (9), em Vitória. Os corpos dos amigos foram encontrados no bairro Joana D’Arc, mas a polícia acredita que eles foram mortos em um outro lugar: nas proximidades de um baile funk clandestino, que acontecia no Morro do Jaburu. O caso é investigado.

A suspeita da polícia partiu do depoimento de um rapaz de 22 anos que estava na festa e foi baleado. Ele contou que estava acompanhado das duas vítimas no chamado “Baile do Mandela” quando de repente foram cercados por homens armados, que começaram a atirar.

Corpos foram encontrados no bairro Joana Darc, em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Corpos foram encontrados no bairro Joana Darc, em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Ele levou quatro tiros, mas conseguiu correr e foi socorrido. No hospital, ele contou à polícia que os amigos ficaram em poder dos criminosos e foram torturados.

O rapaz mora em Minas Gerais e estava passando uns dias na casa da vítima de 16 anos que foi morta, Samir Victor da Costa Pereira.

A mãe de Samir fez o reconhecimento do corpo do filho na tarde deste sábado, no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória. A família vive no bairro Feu Rosa, na Serra.

A mãe, que preferiu não se identificar, disse que o outro jovem que foi morto junto com o filho também estava hospedado na casa dela e também é de Minas Gerais.

“Ele não me disse que ia a esse baile. Cheguei do trabalho de manhã e ele não estava, e eu não conseguia falar com ele. Fiquei sabendo por terceiros, por volta de 12h, quando me ligaram e me falaram que era ele. Pra mim foi uma surpresa, porque a gente não mora em Vitória”, falou.

Baile funk acontecia no Morro do Jaburu em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Baile funk acontecia no Morro do Jaburu em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Ela disse que não entende o motivo de terem feito tanta maldade com o filho dela. “Eu tô sem chão, sem saber o que fazer. Só sei dizer que a pessoa que fez isso com ele é muito cruel, isso não se faz com o ser humano. Pra fazer uma maldade dessas, a pessoa não é normal ou tá drogada, ou tá com muita raiva. É muito estranho”, disse a mãe.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e nenhum suspeito foi preso até o momento.