Ufes suspende estudantes de medicina acusados de divulgar exame de HIV de colega de turma

A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) suspendeu dois alunos do curso de medicina acusados de expor documentos confidenciais do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam). Eles divulgaram o exame de um universitário diagnosticado com HIV, em 2017. O Ministério Público apura o caso.

A universidade informou que a decisão foi tomada após a abertura de um inquérito administrativo disciplinar para apurar a conduta dos universitários. A comissão inicialmente considerou desligar os estudantes.

A Ufes, porém, considerou que essa foi primeira vez que infringiram o regulamento da universidade e que os estudantes estão no 12º período do curso de medicina. A comissão considerou o investimento feito nos alunos durante os seis anos de graduação e suspendeu um por 60 dias e outro por 90 dias, o que vai resultar no atraso da conclusão do curso. A pena é considerada severa pela instituição.

O universitário que foi vítima da exposição recebeu o diagnóstico de HIV em 2017. Ele fez o exame no Hucam e depois decidiu seguir o tratamento em outro hospital.

No ano passado, colegas da turma dele que faziam estágio no Hucam resolveram pesquisar os nomes dos estudantes dentro do sistema da instituição e encontraram o resultado do exame de HIV do estudante.

Para preservar a identidade da vítima, os nomes dos acusados também não serão revelados. O Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF-ES) também investiga o caso.

Hucam

O Hucam, em nota, informou apenas que é campo para prática dos alunos ligados ao Centro de Ciências da Saúde, mas não responde pelo curso de medicina.

CRM-ES

O Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) informou que, como eles não são formados, não pode abrir sindicância sobre o caso.