Redes sociais podem causar depressão e ansiedade

Os casos de depressão entre jovens que são populares nas redes sociais levantaram uma ampla discussão sobre os efeitos negativos que elas podem causar nos usuários.

Recentemente, a blogueira Alline Araújo foi deixada pelo noivo e realizou o casamento sozinha, com transmissão pelo instagram. Dias após o caso, cometeu suicídio.

A cerimônia transmitida na rede social gerou repercussão e Alline foi criticada por usuários da rede, que a acusaram de se aproveitar da situação para se promover. Dias depois, o instagram passou a ocultar o número de curtidas nas postagens, alegando que não quer que os usuários se sintam em uma “competição”.

A verdade é que pesquisas apontam que as redes sociais podem causar ansiedade e depressão. “Muitos usuários não conseguem entender que aquela ‘vida perfeita’ não existe. Essa expectativa irreal acaba afetando a saúde psíquica”, comentou a psiquiatra Monique Ribeiro.

Mas o que pode ser feito para que as redes sociais sejam menos nocivas? 

“Reduzir o máximo possível o tempo de uso e conduzir a vida com mais equilíbrio. As redes sociais podem ser muito positivas, mas não podemos nos esquecer de que a vida acontece mesmo aqui fora. Se o usuário perceber que está passando do limite, não deve hesitar em procurar ajuda médica e psicológica”, frisou.