Capixaba vai atravessar o mundo em 4 anos a bordo de veleiro

Por Gabriela Ribeti, G1 ES e TV Gazeta

Um capixaba de 53 anos vai passar quatro anos a bordo de um veleiro, em uma travessia de volta ao mundo que começou nesta segunda-feira (5), no Espírito Santo. A bordo do veleiro Free Wind, Renato Silveira deve passar por pelo menos 40 lugares diferentes.

No barco, é possível encontrar tudo que tem em um apartamento. Sala, cozinha, quarto confortável com cama de casal, televisão, máquina de lavar roupas, entre outros utensílios de sobrevivência. O funcionamento do veleiro é garantido por placas de energia solar instaladas na embarcação.

Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

“Tenho duas pias, uma com água salgada e uma com água doce. Fogão, geladeira, armários para guardar comida. Não vai faltar alimento e nem conforto”, disse.

Apesar da comparação, Renato diz que o barco não chega a ser um apartamento, e que ele tem que se adaptar a algumas restrições. “Mas é muito melhor do que possa imaginar”, ressalta.

Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Tecnologia em alto mar

Além de todo o conforto, Renato conta com aparelhos de alta tecnologia, como computadores que mostram mapas de satélite, informações sobre o tempo, velocidade do vento, piloto automático e facilidade para erguer as velas sozinho, sem precisar sair da cabine da embarcação.

Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Capixaba vai atravessar o mundo em quatro anos a bordo de veleiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Sonho de infância

Viajar pelos oceanos era um sonho de infância da época em que Renato viajava pelas águas de Santa Cruz, no Norte do Espírito Santo.

Renato, que é coronel aposentado da Aeronáutico, conta que foram 20 anos de planejamento. Atualmente, ele mora em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, com a esposa.

Na parada que fez em Vitória, Renato aproveitou para rever os pais. O pai dele revela que sempre apoiou o sonho do filho, mesmo com todas as preocupações. “Me preocupo mas coloco tudo nas mãos de Deus”, confessa.

Renato ao lado do pai em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Renato ao lado do pai em Vitória — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

A esposa de Renato também vai encontrá-lo em várias paradas. “Na maior parte do tempo, vou ficar sozinho mesmo. Vai ser uma viagem interior que vou fazer. Debater com os meus monstrinhos, me transformar com certeza. Vou voltar outro Renato”, brinca.