Doença do ‘super-sono’ fez com que mulher que foi dormir na sexta só acordasse no domingo

Polícia prende membros de quadrilha que realizava assaltos em cidades do sul do ES

Você já ouviu falar em hipersonia idiopática? Condição faz com que a pessoa tenha sonolência em momentos inapropriados.

Larissa Agnez / folha vitória

Tem gente que tem dificuldade para acordar e “odeia” o despertador. Todos os dias pela manhã enfrenta uma super luta contra o sono que insiste em fazer com que a pessoa precise de “mais cinco minutinhos”, também conhecido como soneca. Apesar de toda a dificuldade para despertar, as pessoas levantam e seguem as variadas rotinas: trabalhar, estudar, ir a academia, levar os filhos ao colégio… Mas, pense em uma pessoa que não consegue abrir os olhos, nem mesmo com despertadores e pessoas acordando-a! Este é o caso de Lucy Taylor, 42.

A mulher que mora no país de Gales sofre de hipersonia idiopática, popularmente conhecida como doença do super-sono. Segundo a médica especialista em medicina do sono, Jéssica Polese, a hipersonia é a condição onde o individuo tem sonolência em momentos não apropriados do dia, atrapalhando os trabalhos da vida diária e aumentando o risco de acidente.

O caso mais “chocante” que aconteceu com Lucy foi ir dormir numa sexta-feira a noite e só acordar no domingo. A hipersonia faz com que ela sinta muito sono durante o dia e, quando deita, dificilmente consegue acordar. É necessário tomar medicações, colocar vários despertadores e ainda contar com o apoio da família e alguns “sacolejos” para acordar.

Jéssica Polese é pneumologista e especialista em medicina do sono. Foto: Criar Comunicação

A médica do sono explica que o caso não se trata de preguiça e que a condição tem CID 47.1. Algumas pessoas podem ter hipersonia ao longo da vida porque momentos de estresse e emoções podem provocar e até mesmo piorar o super-sono.

“O diagnostico de hipersonolência tem como base a exclusão de distúrbios do sono (apneia, bruxismo, síndrome das pernas inquietas) pois os distúrbios do sono atrapalham a qualidade do sono causando hipersonolência durante o dia. Outro diagnostico diferencial é com narcolepsia e quantidade de sono insuficiente, onde o individuo espontaneamente deixa de dormir”, informou.

Segundo Jéssica, a preocupação com a hipersonia é a prevenção de acidentes por cochilos em situação inapropriada e com rendimento intelectual na escola ou trabalho. ” Às vezes esse individuo é discriminado e frequentemente rotulado como preguiçoso, quando na verdade está doente e precisa de tratamento apropriado”, alertou.

Para diagnosticar a doença, Jéssica comenta que é necessário realizar o teste de múltiplas latências do sono e polissonografia.