Um avião que transportava o cantor Amado Batista e sua equipe fez um pouso no sudoeste da Bahia em um aeroporto que estava fechado e com as luzes da pista apagadas. O caso ocorreu na noite de domingo (12), na cidade de Jequié. Ninguém ficou ferido e o cantor se apresentou normalmente no show que estava previso para ocorrer em um clube da cidade.

A aeronave conseguiu pousar após carros serem levados para o aeroporto e acionarem os faróis para iluminar a pista e auxiliar no pouso, conforme registro de imagens de testemunhas.

Por meio de nota, a prefeitura de Jequié, a cerca de 368 km de Salvador, informou que a aeronave de Amado Batista se aproximou do Aeroporto Vicente Grillo, no município, após o pôr do sol. O terminal não funciona no turno da noite e a pista fica apagada, sem condições de pouso. [Confira a nota da íntegra ao final da matéria]

A assessoria de Amado Batista informou que nem o cantor e nem a equipe irão se manifestar sobre o caso.

Veja também

Festa com Amado Batista em Barra de São Francisco é cancelada

Avião com Amado Batista faz pouso e emergência em Jequié — Foto: Reprodução/TV Bahia

Avião com Amado Batista faz pouso e emergência em Jequié — Foto: Reprodução/TV Bahia

Ainda segundo a prefeitura de Jequié, os comandantes de aeronaves sabem quais os aeroportos no Brasil possuem balizamento para operação noturna.

“Diante desse aspecto técnico, considerado básico para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), qualquer piloto que tente o pouso noturno em aeroporto sem esses equipamentos, como é o caso de Jequié, assume toda e total responsabilidade pela operação, salvo em caso de emergência, que deve ser esclarecido e comprovado às autoridades militares logo após o pouso forçado”, diz a nota da administração municipal.

Com a situação, a prefeitura de Jequié informou que o pouso no Aeroporto Vicente Grillo, nas condições apresentadas, é de inteira responsabilidade do comandante da aeronave e que o procedimento será comunicado à Anac.

Outros casos com Amado Batista

Amado Batista — Foto: Divulgação

Amado Batista — Foto: Divulgação

Esta foi a terceira vez em sete anos, que um avião do cantor Amado Batista precisa fazer um pouso de emergência na Bahia. Em 2012, um o pouso de emergência ocorreu na rodovia BA-262, perto da cidade de Aracatu. Onze pessoas estavam dentro da aeronave – dez integrantes da banda e um piloto -, que não sofreram ferimentos. O cantor não estava no voo.

Em 2018, quando ele seguia para um show em Vitória da Conquista, também no sudoeste baiano, a aeronave que ele estava também precisou fazer um pouso de emergência.

Ainda no ano passado, a Anac informou que o avião usado pelo cantor foi interditado por conta de indícios de que era um táxi-aéreo clandestino.

Veja a íntegra da nota

A Prefeitura de Jequié tomou conhecimento a respeito de um pouso realizado no Aeroporto Vicente Grillo, neste domingo, 12, pela aeronave de prefixo PT-WSJ.

Inicialmente, é necessário informar que o Aeroporto de Jequié é de domínio e responsabilidade do Governo do Estado da Bahia, cabendo a Prefeitura de Jequié, em forma de cooperação técnica, a sua manutenção básica e a segurança do espaço interno e no seu entorno, durante seu uso esporádico.

A aeronave modelo B300, Classe Pouso Convencional 2 motores turbohelice, com ano de fabricação 1996, da Fabricante Raytheon Aircraft, com capacidade para 9 pessoas, de propriedade da AB Promoções e Produções Artísticas e Gravadora Ltda EPP, CNPJ 47.509.120/0001-82, do cantor Amado Batista, ao tentar pousar no Aeroporto Vicente Grilo, após a hora do pôr do sol, deixou a população e as autoridades do município em completo estado de alerta, em decorrência da possibilidade de um possível desastre aéreo.

Todos os comandantes de aeronaves conhecem bem, através do Sistema ROTEAR, quais os aeroportos no Brasil que possuem balizamento para operação noturna. Diante desse aspecto técnico, considerado básico para a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), qualquer piloto que tente o pouso noturno em aeroporto sem esses equipamentos, como é o caso de Jequié, assume toda e total responsabilidade pela operação, salvo em caso de emergência, que deve ser esclarecido e comprovado às autoridades militares logo após o pouso forçado.

Diante do exposto, a Prefeitura de Jequié, finaliza, informando que o pouso dessa aeronave no Aeroporto Vicente Grillo, nas condições acima apresentadas, é de inteira responsabilidade do comandante da aeronave e que tal procedimento será comunicado a ANAC, com o objetivo de evitar procedimentos aéreos considerados de risco para a população e também o espaço aéreo da cidade.