Com 173 letras, este palavrão é um xingamento sobre um homem branco ex-escravo porém escravocrata.

pionaliopecaedriajerkdivhdjaldkrjanekdociddonamzzaripdeecedeo-
geidofnsyejitecoalemmetpoadeclapenneaemahsjvukdubvgofn-
docvirorivobnidpodovusodurnrhyvudoenbhsfciofnpemerohivokri
,

 

No entanto, muitos citam como maior a palavra

λοπαδο­τεμαχο­σελαχο­γαλεο­κρανιο­λειψανο­δριμ­υπο­τριμματο­σιλφιο­καραβο­μελιτο­κατακεχυ­μενο­κιχλ­επι­κοσσυφο­φαττο­περιστερ­αλεκτρυον­οπτο­κεφαλλιο­κιγκλο­πελειο­λαγῳο­σιραιο­βαφη­τραγανο­πτερύγων

que tem 170 letras no alfabeto grego, e ao ser transliterada, passa a ter 182 letras:

Lopadotemakhoselakhogaleokranioleipsanodrimypotrimmatos-
ilphiokarabomelitokatakekhymenokikhlepikossyphophattoperis-
teralektryonoptekephalliokinklopeleiolagōiosiraiobaphētraganopterygṓn
.


Acontece que esta palavra se refere a um prato culinário fictício mencionado na comédia As Mulheres na Assembleia, de Aristófanes, então não vale.

A maior palavra da língua portuguesa registrada em dicionário, com 46 letras, é

pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico

O primeiro registro oficial aconteceu em 2001, no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa a descreve o indivíduo que possui doença pulmonar causada pela inspiração de cinzas vulcânicas. O nome científico dessa doença é silicose.