Por Fernando Sousa, para o TechTudo

Os robôs sexuais vêm evoluindo e ganhando características cada vez mais realistas. Por meio da inteligência artificial, essas máquinas passaram a ter a capacidade de se comunicar de forma praticamente natural com os humanos. Além disso, outras tecnologias vêm sendo desenvolvidas na área com o objetivo de melhorar a experiência do usuário.

A tendência é que, com o tempo, esse segmento se torne ainda mais popular e utilize outros recursos curiosos. Veja algumas tecnologias que podem aparecer nos robôs sexuais no futuro.

1. Segurar objetos

Os robôs sexuais que estão disponíveis no mercado ainda são bem limitados, de modo que conseguem apenas realizar poucos movimentos e emitir alguns sons. No entanto, pesquisadores têm desenvolvido sistemas pneumáticos que podem fazer com que as máquinas consigam segurar objetos, o que pode ser um recurso interessante para as desenvolvedoras de sex bots.

Esse passo é importante não apenas para o segmento, mas também para outros tipos de uso. Com essa capacidade, robôs para ajudar no dia a dia ou até próteses robóticas podem oferecer ainda mais aos usuários, já que, atualmente, a falta de sensibilidade tátil pode impedir diversas atividades.

Tecnologia pneumatica que vai permitir que robôs segurem objetos — Foto: Reprodução/Festo

Tecnologia pneumatica que vai permitir que robôs segurem objetos — Foto: Reprodução/Festo

2. Diminuir a distância entre casais

A ideia dos dispositivos hápticos é replicar interações físicas por meio de dispositivos que são capazes de se movimentar, mudar de forma ou até mesmo alterar a temperatura. Assim, é possível que, no futuro, casais possam interagir mesmo quando estiverem separados por meio de dispositivos vestíveis. Utilizando uma conexão remota e algum sistema para simular o contato físico, ficaria mais fácil amenizar as saudades de seu parceiro ou parceira. Portanto, a presença de um robô sexual pode ajudar na hora de sentir a outra pessoa mais próxima.

3. Cobrar pelo sexo

Um futuro hipotético que já foi imaginado em filmes como Blade Runner 2049 e Ex Machina, por exemplo, é o de robôs profissionais do sexo. Não que encontrar máquinas com esse intuito pelas ruas de grandes cidades venha se tornar uma coisa comum, mas já hoje existem exemplos de que “bordéis” do tipo podem vir a existir.

Renée, robô sexual da empresa Vivant Dolls, está diponível para aluguel no site — Foto: Divulgação/Vivant Dolls

Renée, robô sexual da empresa Vivant Dolls, está diponível para aluguel no site — Foto: Divulgação/Vivant Dolls

A possível chegada de um serviço de “test drive” para robôs sexuais levou a novas regulações na cidade de Houston, nos Estados Unidos. O governo proibiu lojas com “dispositivos e objetos antropomórficos usados para entretenimento”. Em outras palavras, a oferta de robôs sexuais para relações sexuais em lojas, por exemplo, tornou-se ilegal.

4. Interagir de forma mais humana com o usuário

A proposta dos robôs sexuais do futuro é ir muito além de apresentar um boneco com alguns movimentos. Com as evoluções da robótica, é cada vez mais possível que esse segmento de máquinas seja uma companhia capaz de conversar, exibir reações e se comunicar, assim como a robô Sophia. Portanto, com o avanço da Inteligência Artificial, pode ser que os robôs tenham acesso a dados e a capacidade de aprender como proceder diante das situações, reagindo à comunicação com os usuários de forma cada vez mais humana.

Sophia e o apresentador norte-americano Jimmy Fallon em seu programa de entrevistas — Foto: Divulgação/Hanson Robotics

Sophia e o apresentador norte-americano Jimmy Fallon em seu programa de entrevistas — Foto: Divulgação/Hanson Robotics

5. Produção de robôs sexuais em impressoras 3D

Os robôs sexuais possuem um custo de produção bem elevado, já que o atual uso de moldes para confeccionar os modelos não é a forma mais rápida e econômica possível. Essa questão interfere diretamente nos preços dos produtos, que são bastante altos. Pensando nisso, a empresa DS Robotics, especializada no segmento, começou a trabalhar com impressão 3D, um modelo de produção mais rápido e barato.

Além de reduzir os custos de produção, essa prática também permite à empresa economizar material, e, assim, diminuir o preço dos produtos. Vale ressaltar que a fabricante não permite aos usuários sugerirem seus próprios modelos para impressão, já que isso poderia levar à utilização da imagem de pessoas reais sem consentimento.

Robô da DS Robotics impresso em 3D pela empresa — Foto: Reprodução/ SexTech

Robô da DS Robotics impresso em 3D pela empresa — Foto: Reprodução/ SexTech

6. Participar de conteúdo audiovisual

Outro ramo que poderia se beneficiar com a evolução dos robôs sexuais é indústria pornográfica, que passaria a ter estrelas robôs para seus filmes, oferecendo novas abordagens. Na verdade, isso já acontece atualmente. Uma produtora de vídeos adultos gravou um filme em parceria com uma espécie de “bordel” de sex bots em que um homem é flagrado “traindo” a namorada com uma robô.