Quase 400 alunos ficam sem aula após escola ser interditada em Fundão

Escola de Fundão é interderditada e estudantes ficam sem aula, no ES — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Por Mayara Mello, TV Gazeta

Quase 400 alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental da escola municipal Praia Grande, em Fundão, no Espírito Santo, ficaram sem aulas nesta segunda-feira (8). O prédio onde eles estudavam foi interditado pela Defesa Civil na última sexta-feira (5). A retirada dos estudantes foi determinada como medida de prevenção.

A Secretaria de Educação disse que outro espaço está sendo providenciado, mas eles só serão realocados no dia 22 de abril. Até lá, os estudantes permanecerão sem aula. Em uma nota de justificativa, a escola diz que as aulas foram suspensas como medida de prevenção.

Escola emitiu nota de justificativa para a falta de aula, no ES  — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Escola emitiu nota de justificativa para a falta de aula, no ES — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

A escola que foi interditada está com a estrutura precária: parede com rachaduras e vigas expostas, janelas com os vidros quebrados, teto com infiltrações, fios de energia soltos e banheiros sem azulejos.

Teto da escola de Fundão estava com infiltração — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Teto da escola de Fundão estava com infiltração — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Trabalhando há 20 anos no local, a professora Josiane Loureiro desabafou e declarou que a prefeitura já tinha sido cobrada sobre o problema.

“A gente vem cobrando, mas não dão resposta e foram só empurrando com a barriga, enrolando e nunca deram resposta para a gente”, disse.

Os pais dos alunos se reuniram em frente à escola. Revoltados, eles disseram que há muito tempo já haviam alertado ao município sobre as condições que os filhos estudavam.

“Nossa reivindicação maior é nossos filhos terem aula. Eles estão sem escola, sem aula”, argumenta o pai Lucas Borges.

Revestimento de banheiro da escola está caindo, no ES   — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Revestimento de banheiro da escola está caindo, no ES — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

O pai de aluno Alex Neves diz que a transferência dos alunos já se arrasta há meses. “Isso já vem enrolando desde o ano passado. Entrou as férias e já tinha esse projeto de transferir para esse local, voltaram as aulas e não foi feito nada. Passou o carnaval e continua do mesmo jeito”, relata.

Com medo, os pais impediram que os filhos do 6º ao 9º ano que estudam em um prédio ao lado da escola que foi interditada, frequentem as aulas. “Está tudo ruim, está quase igual a essa”, disse a mãe de um aluno Isabel Cristina.

Falta de segurança

Além dos riscos na estrutura, a escola não oferece segurança para os estudantes. A porta que da entrada da escola está com a fechadura quebrada e a vigilância é feita por um cadeira encostada nela. As janelas do refeitório também estão caindo.

Porta de escola é fechada com cadiera, no ES  — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Porta de escola é fechada com cadiera, no ES — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Secretaria de Educação

Por telefone, a secretaria de educação do município, Magda Luíza Bertolini Tótola, afirmou que os alunos voltam a estudar no dia 22 abril em outro espaço. Segundo a secretária, ela tomou conhecimento da condição da escola há 15 dias. Todas as aulas serão repostas.

A prefeitura também disse que a reforma da escola Praia Grande deve ser concluída em seis meses. Sobre a escola que fica ao lado e que os pais impediram a entrada dos alunos hoje cedo, a prefeitura de Fundão disse que a escola não oferece risco e pediu que os pais não impeçam a entrada dos alunos.

Essa outra escola também passará por reforma, mas a prefeitura não disse quando.

Vidros de escola de Fundão estão quebrados, no ES — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Vidros de escola de Fundão estão quebrados, no ES — Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

Escola

A diretora da escola, porém, disse que a prefeitura tem conhecimento há muito tempo da situação na estrutura da escola e que já haviam cobrado a reforma na unidade.

“Muito tempo que a gente vem lutando e sonhando que essa escola seja reformada porque nossos alunos merecem”, contou a diretora Rosana Coutinho.