Questionado por deputados quanto a defasagem do salários de policiais civis e militares e dos bombeiros, Casagrande disse que não há qualquer condição de reajustar salários nos próximos meses.

Rafael Silva Freitas / TV Vitória

O governador Renato Casagrande (PSB) voltou a fazer duras críticas ao seu antecessor, Paulo Hartung (sem partido). Durante sua prestação de contas, na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), nesta segunda-feira (11), Casagrande disse que encontrou o estado em uma situação “muito pior do que as análises mais pessimistas feitas antes da posse”.

Para Casagrande, a descontinuidade de algumas obras e o “abandono” da infraestrutura do Estado prejudicou o desenvolvimento do Espírito Santo. “A avaliação que fazemos hoje é muito pior do que as nossas análises mais pessimistas. É só olhar para as condições da Segunda Ponte, da Rodoviária ou dos terminais do Transcol. Os hospitais, as obras do programa Caminhos do Campo e o nosso DML estão em condições precárias e o efetivo da Polícia Civil, Polícia Militar e dos Bombeiros está aquém das nossas possibilidades“, pontuou.

Falta do poder público fortaleceu grupos criminosos

Casagrande também analisou o crescimento de grupos criminosos no Espírito Santo. Para ele, a ausência do poder público fortaleceu a formação do tráfico de drogas no estado. “Com o fim do programa Estado Presente, criado no meu primeiro governo, Vitória viu o fortalecimento de grupos criminosos, a falta de Estado fortaleceu esses grupos. Não podemos deixar de fazer o enfrentamento permanente. Temos que abafar os líderes desses grupos e investir no sistema prisional, que hoje tem mais de 10 mil presos além da capacidade“, afirmou o governador.

Ônibus com ar condicionado

O governador reafirmou o compromisso de começar a implementar ônibus com ar condicionado na rede Transcol. Até 2022, o objetivo é que 100% das linhas troncais, que ligam terminal a terminal, possam contar com veículos com ar condicionado. Além disso, está em contrato frente a Ceturb a troca de toda a frota até o final do mandato.

Entre outras promessas de campanha que se mantêm no plano de governo, ele citou a reabertura do aquaviário e a implementação de parte do BRT.

Sem reajuste para policiais, mas concursos estão de pé

Questionado por deputados quanto a defasagem do salários de policiais civis e militares e dos bombeiros, Casagrande disse que não há qualquer condição de reajustar salários nos próximos meses.

Além disso, o governador falou sobre o concurso para contratação de mais policiais. “O concurso está em fase recursal, já que houve muitos questionamentos por conta do alto índice de candidatos que reprovaram no teste psicotécnico. Até o fim do mês estes recursos devem ser julgados e daremos continuidade a contratação de policiais“, explicou.

Ônibus exclusivo para mulheres

O deputado estadual Lorenzo Pazolini (PRP) revelou em plenário as conversas junto a Ceturb para a adoção do “Ônibus Lilás”, exclusivo para passageiras mulheres na Grande Vitória. O objetivo seria reduzir o número de casos de assédio dentro dos coletivos. “Vamos continuar avaliando essa possibilidade sugerida pelo senhor“, respondeu Casagrande ao deputado.

Fogo amigo

Companheiro de partido de Casagrande, o deputado Sérgio Majeski (PSB) criticou as indicações políticas dentro dos escalões de governo. “Observamos que o gasto com pessoal dentro das secretarias ultrapassa em muito as despesas em investimento. Isso porque há um número excessivo de indicações“, argumentou o deputado.

Eu discordo da intensidade do seu argumento. É importante a transparência no governo, mas nem toda a indicação política é desqualificada. Além disso, há muitas secretarias, como a de Direitos Humanos e de Transparência que a máquina são os próprios servidores. Os investimentos são os servidores. Então, acho que essa análise de gastos não é adequada“, comentou o governador.

Guarda Civil Metropolitana

Questionado pelo deputado estadual Marcelo Santos sobre a possibilidade de implementar uma Guarda Civil Metropolitana, Casagrande disse que a proposta já está sendo analisada pelo secretário de segurança pública, Roberto Sá. “Estamos vendo as possibilidades jurídicas e de implementação da guarda civil metropolitana. Vimos exemplos positivos em outras capitais e vamos avaliar se pode ser colocada em prática no Espírito Santo“, avaliou.